As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Líder do PAIGC conformado com decisões do Supremo
- 11-May-2005 - 14:19


O presidente do PAIGC, no poder na Guiné-Bissau, manifestou-se terça-feira conformado com as decisões do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), que aprovou as candidaturas dos ex- presidentes João Bernardo "Nino" Vieira e Kumba Ialá às eleições presidenciais.


Em declarações aos jornalistas, Carlos Gomes Júnior, indicou que o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que apoia o também ex-presidente Malam Bacai Sanhá, vai agora preparar a campanha para que, nas urnas, o povo se posicione.

"Estamos num país democrático, onde há a separação de poderes. Isto era uma decisão que era aguardada por toda a classe política. Finalmente, o Supremo posicionou-se e não nos resta senão conformarmo- nos com aquilo que o poder judicial determinou", referiu.

Sobre a aprovação das candidaturas de "Nino" Vieira e Kumba Ialá, ambos antigos dirigentes do partido, o também primeiro-ministro frisou que "não há comentários a fazer", sublinhando que "cada um terá agora de assumir as suas responsabilidades".

"De uma vez por todas, vamos às urnas, onde daremos a resposta adequada, na base dos princípios que norteiam o PAIGC. O povo, serenamente, fará o melhor juízo e é quem mais ordena", frisou Carlos Gomes Júnior, considerando que seria "desastroso" para o país um eventual adiamento das presidenciais de 19 de Junho próximo.

"Não há nenhuma razão para que sejam adiadas. Enquanto governo, temos responsabilidades, temos compromissos internacionais e um adiamento seria desastroso porque temos de negociar o Programa Pós- Conflito com o Fundo Monetário Internacional (FMI), que possibilitará a entrada de recursos financeiros", sustentou.

Para Carlos Gomes Júnior, o executivo que lidera, que cumpre um ano de mandato na próxima quinta-feira, está também a tentar fazer os possíveis para que os doadores se sintam mobilizados para apoiarem o país na mesa redonda de Outubro.

"Faremos o nosso melhor para dar o maior equilíbrio sócio- económico à população e ao país, dar maiores garantias à comunidade internacional e fazer com que esta governação mereça credibilidade e respeitabilidade dos nossos parceiros de desenvolvimento", afirmou.

Carlos Gomes Júnior apelou a todos os militantes do PAIGC para que façam a campanha eleitoral com base no civismo, sublinhando que o candidato do partido é Malam Bacai Sanhá e recusando quaisquer comparações com o antigo líder "Nino" Vieira (1980/98).

"O nosso candidato é Malam Bacai Sanhá, que mereceu o aval dos militantes do PAIGC e do Comité Central. Estamos a organizarmo-nos e vamos dar mais uma vitória ao nosso partido", afirmou Carlos Gomes Júnior, que não comentou a exclusão da candidatura do presidente do Partido Unido Social-Democrata (PUSD), Francisco Fadul.

Por seu lado, o enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, o ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano, exortou hoje os candidatos excluídos das presidenciais pelo STJ a respeitarem a lei, recusando comentar a aprovação ou reprovação de candidaturas específicas.

Ao longo dos cerca de 10 dias que permaneceu em Bissau, o ex- presidente moçambicano Joaquim Chissano, que deixou terça-feira à noite a capital guineense, fez constantes apelos aos candidatos que viessem a ser recusados pelo STJ para acatarem a decisão, defendendo que, se quiserem recorrer, que o façam através dos meios judiciais.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem