As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Candidato do PAIGC acusa Supremo de «decisão política»
- 11-May-2005 - 14:20


O candidato do partido do poder na Guiné-Bissau às presidenciais acusou hoje o Supremo guineense de ter tomado uma "decisão política" sobre as candidaturas, e a comunidade internacional de interferência no processo.


Em declarações à Agência Lusa em Lisboa, Malam Bacai Sanhá, um dos 14 candidatos aceites, explicou que está contra os critérios do Supremo de validar algumas candidaturas e excluir outras, dado que "vão contra a carta de transição" e contra "os direitos fundamentais dos cidadãos".

"Se se trata de uma decisão política, como ficou claro, então ninguém devia ter sido excluído", afirmou Sanhá, referindo especificamente a exclusão de Francisco Fadul, líder do Partido Unido Social-Democrata (PUSD).

"Se Francisco Fadul já foi primeiro-ministro não se percebe por que motivo foi agora rejeitada a sua candidatura às presidenciais", disse, admitindo, no entanto, que não teve acesso aos acórdãos do Supremo com os fundamentos para a decisão.

Sanhá referiu-se ainda à candidatura aceite do ex-Presidente Kumba Ialá para justificar a acusação de "decisão política" e de violação da carta de transição, aprovada após o golpe de Estado que o depôs, em Setembro de 2003, que define que em caso de renúncia, o Presidente fica impedido de se candidatar a cargos públicos por um período de cinco anos.

O Supremo Tribunal da Guiné-Bissau validou terça-feira 14 das 21 candidaturas às eleições presidências marcadas para 19 de Junho, depois de o anúncio da decisão, previsto para 27 de Abril, ter sido sucessivamente adiado.

Sobre a "ingerência" por parte da comunidade internacional, o candidato do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) questionou nomeadamente o prolongamento da estadia do representante especial da ONU para a Guiné-Bissau, o ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano, até ao anúncio da decisão do Supremo.

"Não é por acaso que o representante do secretário-geral da ONU esteve no país até ontem (terça-feira), dia em que foi divulgada a decisão do Supremo", frisou.

Questionado sobre o interesse que poderia estar por detrás da alegada ingerência por parte da comunidade internacional, Sanhá disse não saber, mas "se o objectivo era evitar um conflito antes das eleições, este terá sido apenas adiado".

"Este processo já está à partida viciado e deixa a dúvida se os resultados eleitorais não serão também adulterados, dado que é o Supremo que os valida", acrescentou o candidato, referindo que "o conflito poderá surgir depois das eleições".

Caso isso aconteça, "a comunidade internacional deve depois assumir as suas responsabilidades", afirmou.

Questionado sobre se considera que também houve ingerência por parte de Portugal, Sanha disse acreditar que não.

"Portugal teve uma posição apenas no sentido de que se respeitasse a legalidade, ou seja, deu conselhos, mas manteve a neutralidade", considerou.

O candidato do PAIGC, que chegou hoje a Lisboa, disse que está em Portugal já em pré-campanha eleitoral, para contactar com "amigos" e tentar encontrar-se com representantes dos partidos e do governo português.

Quinta-feira, Malam Bacai Sanhá viaja para o Porto onde tem previstos encontros com empresários portugueses e volta sexta-feira a Lisboa para contactos com a comunidade guineense em Portugal, regressando segunda-feira a Bissau.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem