As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Denúncias de fraude eleitoral agitam políticos e magistratura
- 29-Jan-2003 - 14:50

O deputado cabo-verdiano Amadeu Oliveira solicitou a imunidade parlamentar para se apresentar às autoridades judiciais no âmbito da sua denúncia de fraude eleitoral envolvendo personalidades políticas e da magistratura do país.

Entre os visados estão o actual presidente do Movimento para a Democracia (MpD), Agostinho Lopes, o presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Ÿscar Gomes, o antigo Ministro da Saúde e actual deputado João Medina e a advogada Teresa Amado, mandatária da candidatura de Carlos Veiga às eleições presidenciais de 2001.

A denúncia foi apresentada por Amadeu Oliveira, antigo Procurador da República e actual deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), na sessão parlamentar de segunda-feira.

Terça-feira decidiu requerer ao Presidente da Assembleia Nacional o levantamento da imunidade parlamentar, para poder responder em tribunal. Nesse mesmo dia, Ÿscar Gomes, Teresa Amado e Agostinho Lopes tornaram pública a apresentação de queixas crime contra Amadeu Oliveira, refutando qualquer envolvimento naqueles actos.

Ÿscar Gomes considerou estar-se perante "uma cabala política" para denegrir a sua imagem, afectando igualmente a do Supremo Tribunal de Justiça. Por seu lado, João Medina classificou tal denúncia como acto de "terrorismo político".

Já Agostinho Lopes, líder do MpD, justificou a apresentação de queixa com o argumento de que "é preciso lutar para que haja valores, para que não valha tudo na democracia" cabo-verdiana. Nesse sentido apresentou igualmente queixa contra o Ministro da Defesa e dos Assuntos Parlamentares, Armindo Maurício, "por ter mentido", ao dizer que já tinha remetido para a Procuradoria Geral da República processos de fraude, sem o ter feito.

Amadeu Oliveira disse possuir posse "um conjunto de elementos que constituem indícios seguros de que muita gente cometeu crimes durante as duas últimas eleições", as legislativas e presidenciais, em Janeiro e Fevereiro de 2001, dois sufrágios em que o MpD foi derrotado.

Com muitos pormenores, e citando nomes de outros elementos colaboradores no alegado processo de fraude eleitoral, Amadeu Oliveira relatou o modo como supostamente "foi treinada" uma jovem de 19 anos que se aproximou em 1997 de membros do governo liderado pelo MpD com a intenção de ser ajudada para superar um problema de saúde que a deixara transitoriamente paralítica.

Essa jovem, considerada elemento central nesse processo relatado, teria sido treinada no gabinete de Agostinho Lopes para lidar com ferramentas informáticas com o objectivo de "manipular fraudulentamente dados eleitorais, nomeadamente elaborando a lista de mortos e as duplas inscrições nos cadernos eleitorais".

Segundo Amadeu Oliveira, perante a derrota nas eleições legislativas do MpD, foi criado um "gabinete de fraude" por pessoas conotadas com a candidatura de Carlos Veiga à presidência: "Esse funcionava autonomamente da sede de campanha do Dr. Veiga, tendo como função única organizar a lista dos mortos, as duplas inscrições nos cadernos eleitorais e emitir instruções para se proceder à fraude através dos computadores".

E a essas reuniões do "gabinete de fraude" tinha acesso "muito pouca gente, nomeadamente Teresa Amado, Carlos Veiga, Alexandre Monteiro e mais outras figuras ilustres do MpD", referiu. A partir de certa altura - acrescenta Amadeu Oliveira - "Ÿscar Gomes, Presidente do Supremo, passou a frequentar as reuniões do gabinete da fraude".

As próximas eleições a realizar em Cabo Verde são as autárquicas, e deverão ser marcadas para Fevereiro ou Março de 2004.

Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem