As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
«Decisão do Supremo foi tendenciosa, mas respeito-a», afirma Sanhá
- 20-Aug-2005 - 22:00


Malam Bacai Sanhá, candidato derrotado nas presidenciais guineenses, considerou hoje que a decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) quanto ao recurso que apresentou naquela instância foi tendenciosa, embora "a respeite em nome da paz, democracia e sossego".


Em declaração à imprensa e perante cerca de cinco centenas dos seus apoiantes, Bacai Sanhá afirmou que o Supremo Tribunal de Justiça teve uma actuação tendenciosa na apreciação do seu recurso, beneficiando "interesses estranhos aos guineenses".

"Somos legalistas, somos democratas e respeitadores dos órgãos da República, vamos acatar a decisão tendenciosa do Supremo Tribunal, mas jamais reconheceremos Nino Vieira como o vencedor destas eleições", disse Malam Bacai Sanhá.

O candidato apoiado pelo Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder) afirmou ainda que o Acórdão divulgado sexta-feira pelo STJ "é o culminar de uma conspiração" contra os "verdadeiros anseios" dos guineenses.

Denunciando os argumentos de extemporaneidade e improcedência evocados pelos juízes do STJ para chumbar o recurso de Bacai Sanhá, o candidato do PAIGC afirmou que quando decidiu avançar para este órgão não estava à espera de "ganhar a qualquer preço, mas sim que a justiça seja feita".

Mesmo com a decisão do supremo, Bacai Sanhá afirma-se com a convicção reforçada de que foi o verdadeiro vencedor da segunda volta das presidenciais.

"Por isso, não reconhecemos, nem hoje e nem amanhã, o general Nino Vieira como o presidente eleito nas urnas pelos guineenses", indicou Bacai Sanhá, prometendo a continuação da "luta democrática".

"É esta a nossa decisão. Mas, também apelamos aos nossos apoiantes, que sabemos serem muitos, a que tenham confiança em nós de que tudo faremos pela irreversibilidade da democracia" na Guiné-Bissau, frisou.

Depositando esperança numa justiça divina, Bacai Sanhá sublinhou que "Deus um dia fará justiça" em relação ao processo eleitoral na Guiné-Bissau, para que se saiba o que, realmente, se passou na Comissão Nacional de Eleições (CNE) e no STJ.

Por fim, Bacai Sanhá agradeceu aos partidos políticos que apoiaram a sua candidatura e à comunidade internacional (CEDEAO, União Africana, União Europeia e a CPLP) pelos apoios prestados ao processo de transição no país, que culminou com a realização de eleições presidenciais de 24 de Julho.

No entanto, sublinhou não admitir imposição, ameaça ou chantagem de ninguém, mostrando-se, contudo, aberto ao diálogo para a busca de soluções perante o que definiu como "crise pós-eleitoral" na Guiné-Bissau.

Por seu lado, Carlos Gomes Júnior, líder do PAIGC e primeiro-ministro guineense, convidou os juízes do STJ a se demitirem "imediatamente" das suas funções, alegando que "traíram a esperança do povo".

"Se não, somos levados a crer que afinal Kumba Ialá (ex- presidente guineense entre 2000 a 2003) tinha razão quando destituiu os juízes que lá estavam, alegando que não serviam os interesses deste povo", afirmou Carlos Gomes Júnior.

O líder do PAIGC disse ainda que, por tudo o que se passou até a "eleição fraudulenta" de Nino Vieira, este jamais será considerado pelo partido que dirige como presidente da Guiné-Bissau.

"O nosso presidente e presidente eleito dos guineenses é e será o camarada Malam Bacai Sanhá", afirmou Carlos Gomes Júnior, para quem é preciso cerar fileiras contra "os perigos" que disse Nino Vieira e "os seus lacaios" representam para o país.

"Estão aí com dinheiro para corromper a consciência dos guineenses. É uma perspectiva de retrocesso para o nosso país que aí vem", concluiu Carlos Gomes Júnior, debaixo de um forte aplauso das cerca de cinco centenas de militantes do seu partido que assistiam à conferência de imprensa no salão Amílcar Cabral, na sede nacional do PAIGC, em Bissau.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem