As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
14 deputados abandonam o PAIGC e ficam como independentes
- 13-Oct-2005 - 17:46


Pelo menos 14 dos 45 deputados do PAIGC vão passar a independentes na próxima sessão legislativa, prevista para Novembro, após terem sido "marginalizados" pelo partido no poder na Guiné-Bissau, disse hoje fonte partidária.


Segundo o ex-presidente da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Cipriano Cassamá, a decisão já foi comunicada quer à Assembleia Nacional Popular (ANP) quer ao próprio partido.

"Fomos obrigados a tomar esta decisão face à marginalização a que fomos votados no PAIGC", sublinhou Cassamá, lembrando que, em Abril deste ano, o Comité Central do partido suspendeu 35 militantes, entre eles o 1º vice-presidente Aristides Gomes.

Na altura, os 35 dirigentes foram suspensos de todas as actividades partidárias até à realização de um Congresso na sequência do apoio manifestado ao então candidato independente às presidenciais João Bernardo "Nino" Vieira, que viria a vencer a votação na segunda volta do escrutínio.

Questionado pela Lusa sobre se a decisão é uma medida de antecipação face ao congresso extraordinário não electivo que o PAIGC tem programado para o final deste mês, Cassamá nada adiantou, o mesmo sucedendo quando instado sobre se estarão abertas as portas para a queda do executivo de Carlos Gomes Júnior.

O Parlamento guineense conta com 100 deputados de cinco partidos ou coligações e, no caso de ser apresentada uma moção de censura, para ser vinculativa, é necessário o voto de pelo menos dois terços dos Parlamentares, neste caso, 67.

Sem os 14 parlamentares, que vão passar a independentes, o PAIGC contará apenas com 31, uma vez que os partidos da Renovação Social (PRS) e Unido Social-Democrata (PUSD) contabilizam, entre eles 52 parlamentares, o que, tendo em conta os 14 dissidentes, serão, no total, 66.

Segundo Cipriano Cassamá, tudo se encaminha para que a União Eleitoral (UE), coligação de dois partidos e que elegeu outros tantos deputados, se junte a esta frente, uma vez que todos apoiam "Nino" Vieira.

Por seu lado, o PAIGC, através do novo líder da bancada parlamentar, Seidiba Sani, desdramatizou a situação à Lusa, sublinhando, contudo, que não aceita "chantagens" de "ex-dirigentes" e que toda a situação ficará esclarecida no próximo congresso.

"Os estatutos do partido são para cumprir e todos eles os violaram, pelo que deverão ser expulsos", afirmou Sani, que não comentou, contudo, a possibilidade de, face à lei, os 14 "dissidentes" se manterem no Parlamento como independentes.

"Nós também temos alternativas e não nos podemos esquecer que a maioria dos 351 membros do Comité Central (do PAIGC) está do nosso lado", afirmou o líder parlamentar do partido governamental, recusando qualquer possibilidade de demissão do primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior.

Carlos Gomes Júnior, também líder do PAIGC, é, no entender de Sani, "uma figura incontornável para a estabilidade política do país", pelo que qualquer cenário de demissão do governo "não faz sentido".

Hoje de manhã, à margem da cerimónia de abertura do ano judicial na Guiné-Bissau, e interpelado pela Lusa sobre a situação, Carlos Gomes Júnior escusou-se a fazer comentários.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem