As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Nino e Malam dão em Dacar primeiro passo para reconciliação
- 22-Oct-2005 - 16:34


Os dois candidatos à segunda volta das eleições presidenciais da Guiné-Bissau, que se encontravam desavindos, deram sexta-feira, em Dacar, um primeiro passo para a reconciliação, na sequência de uma iniciativa do presidente senegalês, Abdoulaye Wade.


Segundo a estação emissora privada guineense Rádio Bombolom FM, o encontro entre João Bernardo "Nino" Vieira, vencedor da votação e empossado Presidente da Guiné-Bissau a 01 deste mês, e Malam Bacai Sanhá, candidato derrotado que se recusa a aceitar os resultados, decorreu na presença também dos chefes de estado nigeriano, Olusegun Obasanjo, e gambiano, Yahia Jammeh.

"Demos um primeiro passo para a reconciliação, em nome da paz e da estabilidade da Guiné-Bissau e o aperto de mão foi feito com esse sentido", afirmou Bacai Sanhá em declarações àquela rádio guineense a partir da capital senegalesa.

Bacai Sanhá indicou ter analisado com "Nino" Vieira o actual momento político do país, mas não adiantou pormenores sobre o encontro, nem se irá, em breve, anunciar o fim da recusa dos resultados das presidenciais, em que obteve quase 48 por cento dos votos.

O candidato derrotado esclareceu que não está de acordo com "Nino" Vieira em muitas matérias, sem referir quais, e escusou-se a dizer quando ambos voltarão a encontrar-se ou mesmo se tal acontecerá em Bissau.

Questionado sobre a alegada preparação da queda do governo que algumas forças políticas estão a levar a cabo, Bacai Sanhá respondeu que tal "não faz sentido", uma vez que o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) venceu as legislativas de Março de 2004 e que, por via disso, "tem legitimidade" para continuar em funções.

"Nino" Vieira e Bacai Sanhá encontraram-se sob proposta de Wade, que aproveitou a presença na capital senegalesa de Obasanjo, também presidente da União Africana (UA), e de Jammeh para os juntar, com o objectivo de ultrapassar as divergências entre os dois políticos.

Bacai Sanhá, que permanece desde quinta-feira na capital senegalesa, nunca aceitou os resultados da segunda volta das presidenciais, disputada a 24 de Julho último, mesmo depois de validados pela Comissão Nacional de Eleições (CNE), homologados pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e publicados no Boletim Oficial.

O candidato derrotado, apoiado pelo PAIGC, exige a reabertura das urnas para se proceder a uma recontagem dos votos, alegando a existência de "milhares de boletins de voto falsos" todos em nome do seu adversário.

Os sucessivos recursos que então apresentou foram sempre julgados improcedentes, quer pelos tribunais. quer pelo Supremo, tendo Bacai Sanhá indicado que nunca reconhecerá "Nino" Vieira como presidente da Guiné-Bissau "enquanto não for feita justiça".

"Nino" Vieira, cuja tomada de posse não contou com a presença de Bacai Sanhá, nunca comentou as declarações do seu adversário.

O presidente guineense deslocou-se sexta-feira a Dacar, de onde regressou a Bissau no mesmo dia, para, oficialmente, mediar o conflito fronteiriço entre o Senegal e a Gâmbia, esforços que foram coroados de êxito, mas só com a intervenção do líder da União Africana.

Segundo a rádio Bombolom FM, as fronteiras entre os dois países foram reabertas às 06:00 de hoje (07:00 em Lisboa), depois de ultrapassadas as divergências provocadas em Agosto último pelo aumento das tarifas da travessia do Rio Gâmbia, que divide o país homónimo entre o norte e o sul.

Tanto "Nino" Vieira como o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior manifestaram total disponibilidade para mediar o conflito, uma vez que o encerramento das fronteiras estava a prejudicar significativamente as importações guineenses, obrigando as transportadoras terrestres a longos períodos de paragem, com a consequente deterioração dos produtos.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem