As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Adiado para quarta-feira encontro entre Nino e o PAIGC
- 1-Nov-2005 - 19:01


O encontro entre o chefe de Estado da Guiné-Bissau e uma delegação do PAIGC, previsto para hoje à tarde, foi adiado para a manhã de quarta-feira, confirmaram fontes da Presidência da República e partidárias.


A reunião, a segunda em dois dias, esteve inicialmente marcada para a manhã de hoje, tendo, depois, sido marcada para a tarde e, por último, para a manhã de quarta-feira. Nela deverá ficar definido o nome do futuro chefe do governo guineense.

Para justificar o adiamento, fonte da Presidência da República indicou que João Bernardo "Nino" Vieira está ainda a proceder a consultas, no âmbito do processo de nomeação do novo primeiro-ministro, mas não adiantou pormenores.

Por seu lado, Soares Sambu, membro da Comissão Permanente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), disse desconhecer as razões do adiamento, uma vez que só o comunicaram à direcção da sua força política minutos antes do encontro.

Através de um decreto presidencial, "Nino" Vieira, empossado a 1 de Outubro último, demitiu o governo de Carlos Gomes Júnior, sustentado pelo PAIGC, alegando "crispações latentes" entre o governo e os restantes órgãos de soberania que põem em causa a estabilidade nacional.

Desde então, a Guiné-Bissau está sem Governo, tendo os respectivos membros do executivo exonerado sido impedidos de aceder aos respectivos gabinetes de trabalho, o mesmo sucedendo a todos os funcionários da administração pública.

Desde o passado fim-de-semana que "Nino" Vieira tem estado em sucessivas consultas, quer com os partidos com representação parlamentar quer com membros da comunidade internacional, para os "auscultar" sobre a situação política e sobre a nomeação do novo primeiro-ministro.

Dos três partidos e duas coligações representadas no Parlamento, apenas o PAIGC, vencedor das legislativas de Março de 2004, apontou um nome para a chefia do governo, precisamente o de Carlos Gomes Júnior.

Todas as restantes forças políticas têm-se escusado a adiantar os nomes que propuseram a "Nino" Vieira, embora só uma, a coligação Aliança Popular Unida (APU, que elegeu um parlamentar), tenha evitado criticar o PAIGC.

Os partidos da Renovação Social (PRS) e Unido Social-Democrata (PUSD) e a coligação União Eleitoral (UE, cujos dois deputados eleitos estão divididos) já deram conta das suas propostas ao chefe de Estado.

Estas forças políticas, embora só contem com parte da direcção da União Eleitoral, criaram na semana passada o Fórum de Convergência para o Desenvolvimento (FCD), "espaço de reflexão" que é coordenado pelo presidente do PUSD, Francisco Fadul, e que reivindica deter uma maioria de deputados na Assembleia Nacional Popular (ANP).

Hoje, num comunicado, o Movimento Kumba a Presidente (MKP), que apoiou Kumba Ialá na primeira volta das eleições presidenciais de 19 de Junho último, exortou "Nino" Vieira a escolher um novo primeiro- ministro oriundo do Fórum.

No documento, Rui Alberto Pinto Pereira, presidente do MKP, refere que o próximo primeiro-ministro deverá, como primeira medida, ordenar uma auditoria às contas públicas e uma investigação a "actos subversivos praticados" pelo anterior executivo.

Entretanto, a Comissão Permanente do Parlamento agendou a próxima sessão ordinária para o 21, com a duração de um mês, tendo na ordem do dia a análise e votação do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2006 e o debate sobre a situação político institucional no país, disse a primeira vice-presidente da ANP, Satu Camará.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem