As Notícias do Mundo Lusófono
 
Tudo sobre o Mundo Lusófono Votar à página principal
     Última Hora:

 
          em   
 


 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Lorosae
 » Comunidades
 » CPLP

 « Arquivo »

 


 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Manchete


Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 


 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios





 
  news  
Reinado disparou primeiro em Becorá, diz jornalista australiano
- 23-May-2006 - 19:00


O líder de uma das facções militares que abandonaram o exército de Timor-Leste, o major Reinado, foi o primeiro a ordenar aos seus homens que disparassem, relatou o jornalista australiano David O'Shea, que assistiu aos confrontos em Becorá.


O'Shea, jornalista da emissora pública australiana SBS (Special Broadcasting Service), estava na zona de Becorá a entrevistar o major Alfredo Reinaldo quando aconteceram os confrontos com as forças de segurança.

Entretanto resgatado do local por um jipe blindado da embaixada australiana em Díli, O'Shea falou em directo de Díli para o telejornal "World News" da SBS e afirmou que Alfredo Reinado deu a ordem de abrir fogo depois de os elementos das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) recusarem suspender a sua marcha.

"Tínhamos acabado a entrevista e, logo a seguir, houve alguma agitação e todos correram para as suas posições (Ó) e ele (Reinado) começou a contar", relatou O'Shea, correspondente do programa de reportagem da SBS "Dateline".

"Ele disse que ia contar até dez, os soldados não retiraram e então ele disparou. E as coisas deterioraram-se bastante depois disso", disse o jornalista, acrescentanto ter visto Reinado disparar contra soldados e dizer a certa altura: "Atingi um".

Antes, em declarações à rádio australiana ABC, O'Shea disse que, quando Reinado viu os soldados das F-FDTL a avançarem, lhes disse para pararem e dialogarem, começando a disparar em seguida porque os soldados o ignoraram e continuaram a avançar.

à SBS, David O'Shea disse acreditar que as forças de segurança timorenses não sabiam da presença de um jornalista no local.

"Ficámos a filmar o confronto durante uma meia hora e depois caminhamos por outras quatro horas, até que fomos recolhidos pela segurança australiana e regressamos a Díli, sãos e salvos", relatou.

Segundo o jornalista, os tiros não puderam ser ouvidos em Díli, onde a situação era calma.

Paul Cutler, Director de Informação da Rádio e TV SBS, disse à Agência Lusa em Sydney que David O'Shea começou por se dirigir a um hospital em Lebuhua, onde ficou à espera de ajuda australiana, organizada pelo cônsul-geral em Díli, Barry Brown, e pelo consultor de segurança da própria SBS.

Mike Carey, produtor-executivo do programa "Dateline", disse por seu lado à Lusa que tanto o jornalista como o seu intérprete timorense, José Belo, estavam assustados mas bem.

Dois mortos e sete feridos é o balanço provisório dos confrontos que opuseram hoje elementos das F-FDTL e o grupo comandado por Alfredo Reinado, militar que no passado dia 03 abandonou a cadeia de comando do exército em protesto pela intervenção das forças armadas nos confrontos de 28 e 29 de Abril.

A versão oficial dos incidentes sustenta que os militares das F-FDTL estavam a instalar um posto de vigilância quando foram atacados pelos homens de Reinado. Após os confrontos, segundo o porta-voz do executivo, as forças armadas e a polícia iniciaram uma perseguição ao grupo.

Segundo um comunicado do executivo timorense, os confrontos provocaram um morto e seis feridos entre os militares das F-FDTL, um dos quais em estado grave, e um ferido grave do lado dos amotinados.

Fonte do grupo de Reinado contactada pela Lusa em Díli informou que um dos elementos do grupo morreu.


Voltar

Ver Arquivo

 
 
Participe na Lista de discussão sobre a Lusofonia
 
  Copyright © 2002 Notícias Lusófonas | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos |
design e programação