As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Situação dos emigrantes em São Tomé evocada no Parlamento
- 26-Mar-2003 - 21:05

A situação dos emigrantes cabo-verdianos em São Tomé e Príncipe foi hoje evocada no Parlamento de Cabo Verde, tendo sido pedido o envolvimento do governo português para tentar melhorar as suas condições de vida.


Numa intervenção no período antes da ordem do dia, o deputado Fernando Semedo alertou para as "difíceis condições" de vida desses emigrantes, considerando urgente que seja feita qualquer coisa a seu favor.

O deputado, eleito pelo círculo de África do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), no poder, explicou que esses cabo-verdianos foram para as roças são- tomenses "à procura de uma vida melhor, mas encontraram mais miséria do que aquela a que pretenderam fugir".

Os reformados mereceram particularmente a atenção do deputado, que deu conta de que, "ao fim de uma vida de trabalho duro, auferem hoje uma pensão mensal de apenas 900 escudos cabo- verdianos (8,16 euros)".

Fernando Semedo disse que, ainda assim, essas pensões só começaram a ser pagas em 1979, e levantou a questão de saber quem se responsabiliza pelos anos anteriores, desde 1947, altura em que se verificou a ida maciça de cabo-verdianos para as roças de São Tomé e Príncipe.

Aquele parlamentar entende que as autoridades cabo- verdianas devem "debater a questão com o governo português, para que se encontrem formas de compensar esses milhares de emigrantes que hoje vivem em condições sub-humanas".

Fernando Semedo exigiu, por outro lado, a criação de um ministério que se dedique exclusivamente aos problemas da emigração e, particularmente das mais vulneráveis, como é o caso da comunidade cabo-verdiana de São Tomé e Príncipe.

Os trabalhos do Parlamento cabo-verdiano foram hoje dedicados também à aprovação de diplomas, tendo sido votado unanimemente, na globalidade, a proposta de lei de alteração do regime jurídico do Registo Internacional de Navios, que começou a ser discutida na sessão de Fevereiro.

O Parlamento também aprovou por unanimidade a proposta de lei que regula o Exercício da Liberdade de Associação e o Regime Jurídico das Agências Reguladoras.

Por iniciativa do Movimento para a Democracia (MpD), o maior partido da oposição, foi apresentado para discussão no Parlamento um projecto de lei para a Regulação dos Mercados Públicos, que foi chumbado.

O que se pretendia com o projecto era regulamentar o fornecimento por terceiros de bens e serviços à administração pública, organismos públicos e autarquias, visto que o sector das obras já está coberto pela lei.

A legislação cabo-verdiana já regula o mercado público de obras, exigindo concurso obrigatório (mais de 1.500 contos cabo- verdianos - 13.600 euros) e concurso obrigatório público (mais de 10.000 contos cabo-verdianos - 90.700 euros).

O projecto queria que estes requisitos se estendessem a outros segmentos de contratualização.

Para o MpD, tal legislação justifica-se perante a "necessidade de reforçar as regras de concorrência, de transparência dos procedimentos e colegialidade das decisões nos mercados públicos de aquisições do Estado".

O projecto foi chumbado porque o grupo parlamentar da maioria, PAICV, entendeu que não trazia "nada de novo".

Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem