As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Líder do PUN acusa PAIGC de «prepotência»
- 19-Jun-2003 - 19:14

O líder do Partido de Unidade Nacional (PUN), Idrissa Djaló, acusou hoje o PAIGC de "prepotência e arrogância" na forma como se relaciona com os restantes partidos da oposição na Guiné-Bissau.


Num momento em que a oposição divulga um documento no qual exige ao Presidente da República, Kumba Ialá, que permita a criação de um Governo de largo consenso com o objectivo de realizar as eleições de forma livre e justa, Idrissa Djaló garante que "na oposição não pode haver líderes, apenas vontade de resolver os problemas".

Esta posição surge depois de dirigentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) terem acordado sobre o conteúdo do "memorando" alinhavado pela oposição e, "à última da hora, o seu presidente - Carlos Gomes Júnior - ter aparecido com uma hora de atraso a impor alterações no texto".

Em causa, segundo Idrissa Djaló, estava o prazo limite dado a Kumba Ialá para a realização das eleições, Novembro próximo ou Fevereiro de 2004, tendo o presidente do PAIGC "imposto" a segunda hipótese quando a primeira tinha sido acordada em conjunto com um dos seus vice-presidentes, Aristides Gomes.

"Pode parecer um detalhe, mas não é, trata-se de uma estratégia do PAIGC para impor a sua vontade e surgir como líder da oposição com objectivos claramente políticos e de relevo, para além da relevante questão de princípio", acusa Djaló.

O presidente do PUN garante que "manifestações de intolerância não são admissíveis por parte de ninguém e muito menos quando a oposição procura soluções onde o interesse nacional deve estar acima do interesse estratégico dos partidos".

"Porque, nós - PUN - estamos de acordo com o conteúdo do documento e só não o assinamos por causa da atitude do líder do PAIGC", disse.

Este documento, hoje entregue a Ialá, foi assinado por todos os partidos excepto o PUN, a União para a Mudança (UM), a Resistência da Guiné-Bissau (RGB), de Salvador Tchongó, e a União Eleitoral (UE).

As eleições, ainda marcadas para 6 de Julho, vão ser adiadas em breve por novo decreto do presidente Kumba Ialá, embora seja desconhecida a data que o chefe de Estado vai escolher para o escrutínio.

O mês de Novembro próximo é a data que reúne maior consenso, inclusive de membros do Governo e do Partido da Renovação Social (PRS, no Governo).


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem