Anuncie no Noticias Lusofonas
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Cultura
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Timor Lorosae
«Governo devia promover uso de contraceptivos e legalizar o aborto»
- 11-Jun-2009 - 14:20


O governo timorense devia promover o uso de contraceptivos e legalizar o aborto para evitar a morte de mulheres devido a complicações por abortos ilegais, recomenda um relatório de uma fundação de Timor-Leste divulgado quarta-feira.


"A experiência internacional indica que a criminalização do aborto torna-o perigoso e que é aconselhável em termos de saúde pública não criminalizar, mas regular o acabar com a gravidez", indica o relatório, financiado pelo Fundo das Nações Unidas para a População.

O trabalho, realizado pela Fundação Alola (organização para os assuntos da mulher criada por Kirsty Sword-Gusmão, mulher do primeiro-ministro de Timor-Leste), foi divulgado uma semana depois de o Parlamento ter aprovado uma lei permitindo o aborto quando está em risco a saúde da mulher. Nos restantes casos, as mulheres que abortam podem ser condenadas a até três anos de prisão.

No país com uma população inferior a um milhão de pessoas, as mulheres têm em média sete filhos e tentam abortar com bebidas de ervas, batendo na barriga ou inserindo objectos pontiagudos, segundo o relatório, que cita centenas de entrevistas com mulheres, médicos, parteiras e estabelecimentos de saúde.

Explica que a falta de dados precisos sobre a saúde ou mortalidade materna e a clandestinidade que rodeia o aborto impedem que o relatório faça uma estimativa sobre o número de abortos.

O estudo indica, no entanto, que 40 por cento de todas as emergências obstétricas dizem respeito à gestão ou ao tratamento de complicações de anteriores interrupções de gravidez.

Por outro lado, lembra que para cumprir um dos Objectivos do Desenvolvimento do Milénio, o de reduzir a mortalidade materna em 40 por cento até 2015, "deve ser dada atenção à questão da gravidez indesejada e não planeada e o aborto de risco", assim como "se exigem estudos mais aprofundados para calcular com precisão o número de casos".

O relatório refere que "as mulheres pedem aos médicos e às parteiras para realizarem abortos" e que "é limitado o acesso à informação sobre planeamento familiar".

Recomenda, a propósito, a aplicação efectiva da Políticas Nacionais de Saúde Reprodutiva e de Planeamento Familiar, o registo sistemático da mortalidade feminina relacionada com a gravidez e o parto e a formação dos médicos e parteiras que tratam de casos pós-aborto.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites e SEO Portugal por NOVAimagem