As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Bancos preparam-se para dispobilizar serviços Visa
- 24-Jul-2003 - 19:23

Os bancos de Cabo Verde está a preparar-se para disponibilizar serviços da Visa International Service Association (VISA), revelou à agência Lusa o Presidente do Conselho de Administração da Sociedade Interbancária e Sistemas de Pagamento (SISP).


Abraão Lima adiantou que o processo já está avançado, tendo a SISP solicitado em Agosto de 2002 e conseguido, em Fevereiro deste ano, a adesão à VISA, estando a proceder, neste momento, à formação de pessoal e ao investimento tecnológico necessário à certificação final.

Aquele responsável explicou que a SISP, empresa proprietária e gestora da única rede multibanco existente no arquipélago está, actualmente, a proceder ao +upgrade+ das suas caixas automáticas, prevendo que, "em Fevereiro de 2004, já poderão aceitar cartões VISA".

Embora de custos elevados, a introdução desses serviços em Cabo Verde é vista como um "passo importante e necessário" uma vez que se trata, na opinião de Abraão Lima, de uma "exigência da dinâmica de desenvolvimento económico e social" de Cabo Verde.

Analisando o impacto imediato na economia do arquipélago, o responsável da SISP previu que a utilização dos serviços VISA será, logo de início, responsável pela "injecção de cerca de 8 milhões de euros anuais na Balança de Pagamentos" do país.

De acordo ainda com Abraão Lima, a "demanda de serviços de pagamento electrónico é grande", tendo em conta os quase meio milhão de turistas que visitam Cabo Verde todos os anos, pelo que, segundo deu a entender, a lacuna existente estará certamente a condicionar a capacidade de consumo dos mesmos.

Outro sector que ganhará com a introdução dos serviços VISA é o ligado ao comércio electrónico on-line que, sendo possível, dispensará certo tipo de intermediações e, logo, eliminará alguns custos adicionais nas transações.

Esta é a opinião dos agentes económicos cabo-verdianos, que se queixam de perder muitas oportunidades de negócio devido à lacuna existente no domínio dos sistemas de pagamento electrónico de e para o exterior.

Também a sociedade de consumo do arquipélago tem as suas queixas, uma vez que existem produtos e serviços disponíveis em muito melhores condições noutros mercados, e que não é possível, até agora, adquirir directamente.

O presidente do Conselho de Administração do SISP chamou, no entanto, a atenção para o facto de que a abertura destas possibilidades "depende essencialmente dos bancos comerciais a operar no país", e que serão os responsáveis pela emissão dos cartões e pela oferta dos vários produtos que os acompanharão.

Os bancos cabo-verdianos, adiantou, "também já aderiram à VISA, e certamente irão acompanhar a dinâmica que se desenha, oferecendo aos clientes produtos adaptáveis às suas necessidades e às exigências do país".

Abraão Lima garantiu, por outro lado, que o sistema VISA em Cabo Verde vai "corresponder aos altos padrões de segurança aceites internacionalmente", adiantando que a SISP está a fazer, nesse sentido, "todo o esforço necessário para a capacitação do seu pessoal, e avultados investimentos em softwere e equipamento de ponta".

Nesse sentido, indicou que os investimentos feitos desde a criação da empresa ultrapassam já os 3 milhões de dólares, sem contar com as garantias bancárias que foi necessário prestar para a adesão à VISA internacional, e cujos montantes não quis especificar.

A SISP é uma empresa com três anos de vida, e 90 por cento do seu capital social é cabo-verdiano, sendo participada, por exemplo, pelo Banco de Cabo Verde (30 por cento) e pelo quatro bancos comerciais a operar no arquipélago (10 por cento cada).

O Estado de Cabo Verde também é accionista directo, com 10 por cento, o mesmo acontecendo com a Cabo Verde Telecom. O remanescente das acções é partilhado por duas empresas portuguesas, com 5 por cento cada.

A SISP é proprietária e gestora de uma rede de 35 caixas multibanco espalhadas por todas as ilhas de Cabo Verde, servindo cerca de 45 mil utentes do universo de 150 mil clientes do sistema bancário do arquipélago.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem