As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Manchete
Portugal é, afinal, o segundo país que mais pode perturbar a zona euro
- 20-Apr-2010 - 16:08


A análise e a conclusão são da responsabilidade do Fundo Monetário Internacional

Portugal é o segundo país que mais pode contribuir para perturbar a zona euro, tendo o risco mais do que duplicado desde a última a análise, aponta o Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com o "Relatório sobre a Estabilidade Financeira Mundial" hoje divulgado, a Grécia é o que mais pode contribuir para perturbações na zona euro, com 21,4 pontos percentuais, vindo logo a seguir Portugal, com uma contribuição de 18 pontos percentuais em caso de perturbações.


No último relatório do FMI, a contribuição de Portugal em caso de perturbações na zona euro era de apenas 7,7 pontos percentuais, menos 10,3 pontos percentuais do que é apontado actualmente.

A análise mais recente diz respeito ao período entre Outubro de 2009 e Fevereiro de 2010, apontando ainda mais dois países no topo das preocupações: Espanha (12,7 p.p.) e Itália (11 p.p.).

Há um ano atrás, na análise do período entre Outubro de 2008 e Março de 2009, era a Áustria e a Irlanda que mais riscos apresentavam para a zona euro.

Na altura, o FMI previa que a contribuição da Áustria para perturbações na zona euro era estimado em 16,7 p.p. e da Irlanda em 12,3 p.p., seguindo-se a Holanda e a Itália, única que se mantêm no centro das preocupações, embora seja apenas o quarto país que mais risco coloca, tal como há um ano atrás.

Segundo o relatório, Grécia e Portugal colocam os maiores riscos, e numa escala mais reduzida a Espanha e a Itália, para a zona euro, o que reflecte "uma viragem nas preocupações dos mercados das vulnerabilidades do sector financeiro para as vulnerabilidades orçamentais".

A organização descreve ainda as preocupações com as vulnerabilidade quanto às finanças públicas da Grécia, Portugal, Itália e Espanha como a quarta fase da crise financeira.

Para o FMI, a primeira fase - Julho 2007 a Setembro de 2008 - foi a construção da crise, que relevou problemas em França e Alemanha, a segunda - Outubro de 2008 a Março de 2009 - foi o alastramento sistémico das dificuldades no sistema financeiro (Áustria, Bélgica, Irlanda e Holanda) e outros, a terceira - Abril de 2009 a Outubro de 2009 - constitui as respostas com medidas de política por parte dos vários governos.

A mais recente fase da crise, a quarta como identifica o FMI, constitui a mudança das preocupações dos mercados dos problemas com o sistema financeiro para as debilidades das contas públicas dos países, que têm afectado em maior escala Grécia e Portugal.

A organização sublinha que os 'spreads' das dívidas nos países com maiores dificuldades em termos de finanças públicas têm aumentado substancialmente nos últimos meses.

Eventual incumprimento da dívida portuguesa

O custo de subscrever a protecção para um eventual incumprimento da dívida portuguesa é actualmente o terceiro mais elevado entre os países europeus emitentes de dívida soberana, sendo apenas superado pela Grécia e pela Islândia.
As preocupações dos investidores com a situação das finanças públicas portuguesas fizeram os Credit Default Swaps (CDS) sobre obrigações de Portugal dispararem durante a última semana, sendo neste momento apenas ultrapassados na Europa pelo risco da Grécia (467,14 pontos), que é o quarto mais alto do mundo, e da Islândia (381,93 pontos), em oitavo lugar.

Em termos mundiais, a Venezuela, a Argentina e o Paquistão estão posicionados nos três primeiros lugares dos países com maior risco de incumprimento, seguidos pela já referida Grécia, Ucrânia, Iraque e Dubai.

Seguem-se-lhes a Islândia, a Letónia e a República Dominicana, que fecham a lista dos dez países com maiores custos para a protecção de um eventual incumprimento do pagamento das emissões de dívida.

Hoje, especialistas ouvidos pela agência de informação financeira Bloomberg disseram que Portugal poderá ser o próximo país a ficar sob pressão no mercado obrigacionista, caso a ajuda à Grécia não seja uma realidade no curto prazo, apontando precisamente para a evolução dos CDS do país.

"Se a Grécia não encontrar o apoio de que necessita, claramente isto levará à criação de um risco sistémico e, neste contexto, Portugal será o próximo país a ficar numa situação vulnerável", afirmou o responsável do departamento de dívida europeia do Deutsche Bank, Dowding, que tem sob gestão 150 mil milhões de euros de activos em obrigações.

A situação grega levou já hoje o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schaeuble, a rejeitar comparações entre a situação grega e a portuguesa, como a que foi feita por Simon Johnson, antigo economista-chefe do FMI.

"Creio que esses economistas ainda não perceberam que estão a alimentar o negócio de especuladores com intenções duvidosas. A situação da Grécia não pode ser comparada de todo com nenhum outro país", afirmou o governante, acrescentando que a União Europeia deveria questionar como puderam os organismos estatísticos deixar passar os números gregos sem os questionarem.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
 Ligações

 Jornais Comunidades
Algarve Car Hire
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Criação de Sites Portugal por NOVAimagem