Anuncie no Noticias Lusofonas
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Cultura
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  S Tomé e Príncipe
Falta de água no centro hospitalar pode provocar vaga de contaminações
- 23-Apr-2010 - 11:58


O ministro da Saúde são-tomense está com receio de que a falta de higiene causada pela escassez de água no centro hospitalar de São Tomé (Ayres de Menezes) provoque uma vaga de contaminações.


Numa entrevista à Agência Lusa, o ministro da Saúde, Arlindo Carvalho, admitiu ter informações de que os doentes internados estão a ingerir comprimidos sem água e com problemas em fazer a higiene pessoal.

"Se a água não corre de forma regular, há alguma dificuldade em manter-se a higiene necessária para que o hospital funcione conforme a exigência sanitária mundial", disse o ministro.

Arlindo Carvalho caracterizou a situação de "deplorável" e diz ter alertado o Governo para o risco que os doentes correm numa das reuniões do Conselho de Ministros.

O ministro acusou a EMAE - Empresa de Água e Electricidade de São Tomé e Príncipe de nada fazer para travar a onda de vandalismo na conduta de água do centro hospitalar.

"Houve uma adopção directa para o hospital, mas a água foi desviada de forma ilegal para residências privadas. Isto tem a ver com a desordem que o país enfrenta", precisou Arlindo Carvalho.

O ministro disse ter defendido um sistema de canalização directa para o hospital registado em nome do Ministério da Saúde.

"Se isso for legal, estamos em condições de mobilizar fundos externos para esse tipo de cenários que envolvem técnicos da EMAE", adiantou o ministro.

A nível da cooperação com Espanha, o Governo aplicou em Março cerca de 60 mil euros para tentar minimizar a situação no maior centro de saúde do país.

"Isto é uma situação que nada tem a ver com os profissionais de saúde", disse o ministro, que garantiu ter disponibilizado meios aos bombeiros para colocarem água no hospital de forma regular.

"Esperamos que o Ministério dos Recursos Naturais e Meio Ambiente, através da (EMAE), possa encontrar uma solução para o problema da crise de água no hospital", sublinhou.

Arlindo Carvalho disse ainda ter informações de que o Governo importou equipamentos para abastecer o hospital com água de forma regular a partir de uma conduta próxima.

No entanto, disse que não há evidências de o hospital estar a ser abastecido com água.

De acordo com o ministro da Saúde são-tomense, o sector precisa de, pelo menos, 123 mil euros por mês para fazer funcionar o sistema de saúde, mas o Governo apenas consegue disponibilizar 40 por cento.

Desse valor, cerca de 30 por cento vai para alimentar os doentes e outra parte custeia o envio dos doentes para Portugal, acrescentou Arlindo Carvalho.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 
 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Website Design Portugal por NOVAimagem