As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Novo Estatuto dos Jornalistas aprovado pelo parlamento e criticado pela classe
- 30-Apr-2010 - 22:39


O Parlamento cabo-verdiano aprovou o novo Estatuto dos Jornalistas, cuja principal alteração consagra a obrigatoriedade de formação superior para aceder ao exercício do jornalismo em Cabo Verde, sendo criticado pela associação representativa da classe.


Fonte parlamentar disse hoje à Agência Lusa que o novo estatuto foi aprovado na generalidade, baixou à respectiva comissão e será alvo da votação final global na sessão da Assembleia Nacional (AN) de Maio, tal como o restante pacote legislativo sobre a Comunicação Social.

O novo estatuto, obriga também os jornalistas com menos de 10 anos e sem diploma universitário a fazer uma formação superior no prazo de cinco anos para continuarem na profissão, havendo “punições” que, em casos extremos, podem levar ao “auto-despedimento” do jornalista.

“Condescendência” foi a palavra utilizada pela fonte para os jornalistas com mais de 10 anos de exercício ininterrupto da profissão e sem qualquer diploma universitário, tendo os deputados considerado tratar-se de um “facto consumado”, pelo que não terão de voltar aos estudos académicos.

O novo estatuto foi criticado pela Associação dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC), tendo a presidente, Hulda Moreira, afirmado que o documento tem de contar, na altura da votação final global, com as alterações por si propostas.

Apesar de apoiar que o acesso à profissão deve, doravante, ser apenas facilitado a licenciados, a AJOC, disse Hulda Moreira, recusa que um jornalista com até 10 anos de profissão seja “auto-despedido” pela empresa empregadora caso não cumpra uma formação que lhe dê equivalência ao 12.º ano de escolaridade.

A AJOC, que representa os cerca de 150 jornalistas cabo-verdianos, propõe que os jornalistas com mais de 10 anos de serviço e que não tenham completado o 12.º ano de escolaridade sejam submetidos a um prova “had hoc” de avaliação e aqueles que já têm mais de 20 anos de actividades devem manter o lugar.

Por outro lado, exige que o Estado, através do sistema público de formação superior, crie as condições, designadamente a oferta de licenciatura especialmente montada e a ser ministrada em horários especiais e com recurso ao ensino à distância, para os profissionais que não reúnam as condições de acesso.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona design e programação NOVAimagem - Web design, alojamento de sites, SEO