Anuncie no Noticias Lusofonas
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Cultura
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Guiné Bissau
ONU critica «bizarra» detenção de militares sem culpa formada
- 13-Aug-2010 - 19:05


A detenção prolongada e sem julgamento de militares na Guiné-Bissau é mais uma situação “bizarra” com a qual a comunidade internacional não pode estar de acordo, observou hoje o representante do secretário geral das Nações Unidas, Joseph Mutaboba.


Em conferência de imprensa, Joseph Mutaboba afirmou que não pretende falar de nenhum detido em particular, mas que a situação pode ser caracterizada como estranha e bizarra.

“Esta é uma situação bizarra. Antes de se prender uma pessoa, é-lhe informada da sua culpa, o que ela fez, em seguida é constituído um processo que vai para o tribunal, que por sua vez escolhe um magistrado que vai analisar o processo, para dizer se a pessoa deve ou não ficar na prisão”, disse Joseph Mutaboba.

O representante do secretário geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau reagia desta forma à pergunta sobre o que acha do facto de ainda não existir qualquer resposta a deliberação feita pelo conselho de segurança, que exigiu a libertação imediata de todos as pessoas detidas ou então que sejam levadas ao tribunal.

Entre os detidos figura o ex-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas guineenses, o almirante Zamora Induta, preso no quartel de Mansoa, desde o dia 1 de Abril passado, na sequência de uma sublevação militar dirigida pelo seu então número dois, Antonio Indjai, posteriormente nomeado chefe das Forças Armadas do país.

Para Joseph Mutaboba, a Guiné-Bissau “tem tido problemas com a comunidade internacional” porque não geriu bem o dossiê das pessoas detidas, na sua maioria, militares, uma vez que quase todas elas foram levadas para prisão sem o respeito dos pressupostos legais.

“Durante o percurso, os direitos humanos e judiciais devem ser respeitados. É aquilo que eu chamaria de justiça de alfa a ómega. Sendo que a ómega seria a prisão. Se toda essa tramitação for desrespeitada é normal que o país tenha a comunidade internacional a questionar. É normal que o país tenha problemas com a comunidade internacional”, observou.

O representante de Ban Ki-moon na Guiné-Bissau entende mesmo que o país não tem respeitado as convenções internacionais que assinou.

“Trata-se nesse caso de procedimentos que não são respeitados, trata-se de desrespeito pelas convenções assinadas pela própria Guiné-Bissau. Há uma anomalia na gestão desse dossiê. Não se pode guardar uma pessoa dois meses, seis meses ou um ano”, defendeu Joseph Mutaboba.

“Não estou a falar apenas do Zamora Induta, estou a falar de todos. Porque, aparentemente, há pessoas que estão detidas há mais de um ano sem julgamento”, notou o responsável das Nações Unidas para quem o que tem faltado é vontade política para resolver esses casos.

“Aqui não se pode falar de falta de meios, fala-se de falta de justiça e de vontade política. É preciso que a justiça seja feita, é verdade que há lacunas, como em toda parte, mas é preciso uma vontade política”, sublinhou Joseph Mutaboba.

“Basta uma caneta e um papel para assinar e assumir as decisões”, concluiu.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 
 
 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Websites Portugal por NOVAimagem