As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Manchete
Dêem muito mais tempo ao MPLA
- 35 anos de poder é muito pouco

- 2-Sep-2010 - 12:29


Será que em Angola, por exemplo, poderá acontecer algo semelhante ao que se passa em Moçambique? Não. Não é possível

“Não se justificam a fome, a ignorância e a doença que assolam África”, diz Mo Ibrahim (magnata britânico de origem sudanesa), para quem a solução terá de pessar obrigatoriamente por “bons líderes, boas instituições e boa governação”, sem os quais “não haverá Estado de Direito, não haverá desenvolvimento”.


Por Orlando Castro
Jornalista


Moçambique voltou agora a viver uma revolta popular protagonizada pelos milhões que têm pouco ou nada e que vêem, do outro lado da rua, alguns com muitos milhões. É, aliás, uma situação típica dos países lusófonos, até mesmo em Portugal onde existem 700 mil desempregados, 20% da população na miséria e outros 20% com os pratos cada vez mais vazios.

Será que em Angola, por exemplo, poderá acontecer algo semelhante ao que se passa em Moçambique? Não. Não é possível. E não é, desde logo, porque ao contrário de Armando Guebuza, José Eduardo dos Santos, presidente vitalício de Angola, continua a ser titular da equipa do MPLA (no poder desde 1975), é árbitro, autor das regras do jogo, dono do campo e patrocinador.

Aliás, a situação em Moçambique vem dar razão a Eduardo dos Santos. Aliás, Eduardo dos Santos (presidente há 31 anos) e o MPLA, partido que só está no poder há 35 anos, não têm culpa de em Angola se morrer à fome e de 68% da população ter apenas uma vaga ideia do que é viver.

Sabe-se que em todo o mundo mais de 800 milhões de pessoas enfrentam a fome diariamente e que, a cada minuto, 15 crianças e 15 adultos morrem de fome. Também se sabe que muitos deles são angolanos. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos...

Em todo o Mundo, 1,1 mil milhões de pessoas não têm acesso a água potável; 2,5 mil milhões não têm saneamento básico; 30 mil morrem diariamente devido ao consumo de água imprópria. Esta é, igualmente, uma realidade angolana. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.

A Sida já infectou mais de 60 milhões de pessoas e tirou a vida a um terço destas; e a malária mata 2,5 milhões de pessoas anualmente. Esta continua a ser uma outra vertente angolana. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.

Por esse Mundo, 1,6 mil milhões de pessoas não têm acesso a electricidade e a maioria recorre à queima de combustíveis que provocam a poluição do ar e problemas respiratórios. Queiramos ou não, também aqui Angola dá o seu contributo. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.

Segundo o Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU, cerca de 12 milhões de pessoas poderão morrer de fome em Angola, Botswana, Lesoto, Malaui, Moçambique, Suazilândia, Zâmbia. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.

Quanto à percentagem de número de partos assistidos por técnicos qualificados, em que a média dos países pobres ronda 34 por cento, Angola tem uma taxa de 23 por cento, atrás da Guiné-Bissau (35%), Moçambique (44%) e Cabo Verde (53%). Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.

Quanto à taxa de prevalência do vírus HIV/Sida, Angola tem uma taxa de 2,23 nos homens e de 5,74 nas mulheres. Mas que culpa tem o MPLA? É preciso ter calma. Eles só estão no poder há 35 anos.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
 Ligações

 Jornais Comunidades
Algarve Car Hire
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Criação de Sites Portugal por NOVAimagem