Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Alto Hama

Já não se usa encerrar jornais

- 18-Sep-2010 - 12:18

Em Outubro de 2001, mostrando um raro sentido democrático, o então Procurador-Geral da República da Guiné-Bissau, Caetano Intchamá, ordenou o encerramento dos dois únicos jornais privados que se publicavam no país. Se fosse hoje, em Portugal, bastaria convidar o director para almoçar...

Por Orlando Castro
Jornalista


No seu despacho, Caetano Intchamá ordenou o encerramento dos jornais "Diário de Bissau" e "Gazeta de Notícias", alegando "prática continuada de actividade delituosa potencialmente geradora de danos irreparáveis, pois atenta contra a independência da Nação, a integridade do território, a unidade nacional, as instituições da República e os princípios e objectivos e integridade moral dos cidadãos".

Como se vê, Caetano Intchamá limitou-se a fazer o que outros, em diferentes países da Lusofonia, gostariam ainda hoje de fazer.

Na altura escrevi que a liberdade de Imprensa na Guiné-Bissau só podia existir se fosse para dizer «sim» a tudo o que o Governa entendia fazer. Na Guiné era assim em 2001, em Portugal é mais ou menos assim em 2010... como nos anos anteiores.

Os métodos são diferentes, mas o essencial é o mesmo. Nas ocidentais praias lusitanas os governantes são mais perspicazes e não mandam encerrar jornais. Mandam é calar os jornalistas.

O despacho de Caetano Intchamá acrescentava que "o exercício delituoso dos referidos jornais atenta gravemente contra o Estado de Direito Democrático que se pretende edificar".

José Sócrates tem dito isso mesmo, embora com uma urbanidade diferente, eventualmente mais subtil. Mas que o diz, diz.

Na altura, Humberto Gomes, do "Gazeta de Notícias", disse que "num país em que o Presidente da República se substitui à Constituição não é de admirar que o PGR se substitua aos tribunais".

É evidente que isso foi na Guiné-Bissau em 2001. É evidente que em Portugal – por exemplo – nada disse se passou, passa ou passará.

Para quê encerrar jornais se basta aprovar um Estatuto dos Jornalistas que os acorrenta?

Para quê encerrar jornais se basta aprovar critérios editoriais que transformam o que é preto em branco?

Para quê encerrar jornais se basta não aprovar um pacote publicitário para virar o bico ao prego?

Para quê encerrar jornais se basta convidar alguns jornalistas para serem assessores do Governo?

Para quê encerrar jornais se basta convidar o director para almoçar?

18.09.2010
orlando.s.castro@gmail.com


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
 
Anuncie no Noticias Lusofonas e dê a conhecer a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Ligações

 Jornal de Angola
 Sindicato dos Jornalistas
 AngolaPress - Angop
 Televisão de Angola
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Optimização de Sites Portugal por NOVAimagem