As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Manchete
Legalizar drogas poderá ajudar
a diminuir o défice de Portugal

- 25-Oct-2010 - 19:46


Opção ainda irá a tempo de ser incluída no Orçamento de Estado para 2011?

Só hoje, em Portugal, as notícia dizem que a Polícia apreendeu 60 quilogramas de haxixe nas zonas de Odivelas, Amadora e Sintra, e mais 3100 doses de cocaína na Madeira. Não seria caso para o Governo socialista de José Sócrates fazer algo semelhante ao que está em estudo na Califórnia, EUA? Ou seja, procurar equilibrar as suas contas (as públicas, entenda-se) legalizando algumas drogas e, dessa forma, ajudar a entrar dinheiro nos cofres do Estado?


De facto, com um défice de 14 mil milhões de euros – Portugal anda lá perto - a Califórnia já fez as contas e chegou à conclusão que a legalização da canábis, ou haxixe, poderia significar cerca de mil milhões de euros por ano para os seus cofres. É claro que, pelos EUA, o assunto ainda vai a referendo no dia 2 de Novembro. Mas, em Portugal, se calhar bastaria colocá-lo no Orçamento de Estado em qualquer renovado Plano de Estabilidade e Crescimento, o PEC.

É só uma questão de fazer contas. No início deste mês, a Polícia Judiciária apreendeu 1 736 quilos de cocaína e deteve cinco brasileiros, suspeitos de pertencerem à rede de tráfico responsável pela entrada da droga em Portugal.

O grupo usou 10 contentores, declarando que transportavam gesso, para transportar a cocaína entre o Brasil e o Porto de Leixões. Daí, por via terrestre, os contentores foram levados para a zona industrial do Montijo, para uma empresa que estava em nome dos detidos.

Dando seguimento a uma investigação que se prolongava há seis meses, a Judiciária acompanhou todo o processo, actuando apenas quando os contentores chegaram a seu destino, na margem Sul do Tejo.

A Judiciária disse que se trata da maior apreensão de cocaína feita em Portugal nos últimos anos e acredita ter actuado contra uma importante rede internacional, com grande capacidade financeira.

Além disso, o Governo socialista ganharia mais um vasto leque de simpatizantes. Quem não se recorda de, no passado dia 8 de Maio, Lisboa ter sido palco de uma marcha pela legalização da marijuana, defendendo um "comércio regulado" e o "respeito pela liberdade" individual?

Como na altura afirmou Pedro Pombeiro, porta-voz da Marcha Global da Marijuana (MGM) de Lisboa, "legalizar permite criar regras, vender em locais próprios, a maiores de idade, fiscalizar". Se fosse hoje acrescentaria certamente que também poderia ser um bom contributo para diminuir o défice do país.

Convenhamos que se Ricardo Rodrigues, deputado do Partido Socialista, vice-presidente do Grupo Parlamentar e membro do Conselho Superior de Segurança Interna, pode furtar (ele chama-lhe “tomar posse”) gravadores a jornalistas, também é justo que quem quiser possa comprar, pelo menos numa primeira fase, marijuana. Com a vantagem de a “tomada de posse” nada render para os cofres do Estado socialista, ao contrário do haxixe.

A ilegalização "é um desperdício de recursos que ao mesmo tempo não respeita a liberdade das pessoas de escolherem fazer uma coisa que não faz pior do que muitas outras que são legais", argumentou na altura, e muito bem, Pedro Pombeiro.

Se calhar faz muito mais mal à humanidade ter Ricardo Rodrigues como deputado, vice-presidente do Grupo Parlamentar socialista e membro do Conselho Superior de Segurança Interna, e a verdade é que ele continua por aí impávido e sereno.

"Enquanto consumidores, achamos que era bom contribuirmos com impostos para um comércio legal e regulado, em vez de estarmos na clandestinidade, na ilegalidade porque decidimos fumar charros em vez de beber uma imperial", exemplificou Pedro Pombeiro.

É isso aí. Se uns podem beber sem problemas umas dúzias de imperiais, finos ou cervejas, se até se pode afanar gravadores sem problemas, porque carga de chuva não é possível fumar uns charros?

Se calhar o ideal até seria fazer tudo ao mesmo tempo: fumar uns charros, beber umas imperiais, roubar uns gravadores e ser deputado.

Nesse dia os manifestantes transportavem cartazes onde se lia: "Proibição não é solução" ou "O tráfico é contra a legalização da cannabis, e você?". Na próxima manifestação outro cartaz dirá: “Legalizar ajuda a diminuir o défice”.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
Construção e optimização de  web sites - NOVAimagem  - search engine optimization
 Ligações

 Jornais Comunidades
Algarve Car Hire
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Criação de Sites Portugal por NOVAimagem