As Notícias do Mundo Lusófono
 
Tudo sobre o Mundo Lusófono Votar à página principal
     Última Hora:

 
          em   
 


 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Lorosae
 » Comunidades
 » CPLP

 « Arquivo »

 


 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Manchete


Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 


 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios





 
  news  
Tio Sam congela ou restringe contas
a Angola, Moçambique e Cabo Verde

- 16-Nov-2010 - 20:46


Só em África o Bank of America apertou o cerco a 17 países. Ao todo são 36 atingidos por dúvidas de branqueamento de capitais

As representações diplomáticas e de negócios de um grupo de pelo menos 17 países africanos, incluindo Angola, Cabo Verde e Moçambique, têm o acesso a contas bancárias nos EUA congelado ou restringido, confirmam fontes oficiais. As restrições foram impostas pelo Bank of America e por outros grandes bancos comerciais dos EUA, e abrangem pelo menos 17 países africanos e outros tantos de outras regiões, segundo fontes governamentais dos EUA, citadas pela agência Bloomberg.


Embora não se conheça uma lista dos países afectados, os nomes referidos são Angola, Moçambique e Cabo Verde, além da Mauritânia, Malawi, Guiné-Equatorial, República Democrática do Congo, Suazilândia, República Centro Africana, Gâmbia, Lesoto, Serra Leoa, Suazilândia, Burundi, República do Congo, Madagáscar e Namíbia.

A agência de notícias especifica que as fontes citadas, governamentais e de outros sectores, pediram para não serem identificadas devido aos problemas diplomáticos que esta situação está a gerar.

Em relação a Angola, algumas fontes levantaram a hipótese de estar em causa o novo embaixador dos EUA em Luanda, Christopher McMullen, confirmado para o cargo pelo Senado em Outubro, a ocupar a função enquanto esta questão persistir.

"O Departamento de Estado dos EUA lamenta profundamente os inconvenientes, nalguns casos muito graves, a que as embaixadas africanas e outras estão sujeitas, devido às medidas tomadas por alguns bancos comerciais norte-americanos", disse o adjunto do Secretário de Estado, Johnnie Carson, quando questionado sobre este problema.

Os países africanos estão a recorrer directamente à administração do presidente Barack Obama para que interfira, como fez nomeadamente a embaixadora de Angola, Josefina Pitra Diakite, que pediu a intervenção da chefe da diplomacia norte-americana, Hilary Clinton.

Segundo a VOA News, que já tinha avançado alguma informação sobre este tema, as contas afectadas pertencem a 36 países, 17 deles africanos, referenciados pelo Grupo de Trabalho de Acção Financeira. Trata-se de um organismo internacional, criado no âmbito da ONU, para combater o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo e promover a transparência bancária.


Voltar

Ver Arquivo

 
 
Participe na Lista de discussão sobre a Lusofonia
 
  Copyright © 2002 Notícias Lusófonas | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos |
design e programação