As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Governo de Cabo Verde satisfeito com ambiente de diálogo
- 18-Sep-2003 - 22:22

A Ministra dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Fátima Veiga, manifestou-se hoje bem impressionada com o ambiente de diálogo verificado na Guiné-Bissau na procura de soluções para a saída da crise no país.


"Saímos satisfeitos da missão da CEDEAO, pois há um clima favorável ao diálogo e à procura genuína de uma solução no país", afirmou hoje em conferência de imprensa, no regresso de uma viagem aquele país.

Fátima Veiga esteve esta semana na Guiné-Bissau, como chefe da diplomacia cabo-verdiana e como representante de um Estado-Membro da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), para contactos com os agentes da sociedade e os militares que protagonizaram o levantamento que depôs o presidente Kumba Ialá.

O objectivo foi o de transmitir uma mensagem de solidariedade e de "total disponibilidade" do governo de Cabo Verde para ajudar os guineenses a encontrar "a solução mais adequada e mais durável".

O facto de ser a primeira representante governamental estrangeira a chegar à Guiné-Bissau possibilitou-lhe o estabelecimento de "contactos muito importantes" com as forças militares e os partidos políticos, e que permitiram ter "uma ideia concreta da situação, e das soluções em equação".

De acordo com Fátima Veiga, as razões invocadas para o levantamento armado, pelos militares e pela comissão de civis, foi de que "a democracia não estava a funcionar no país, e que várias medidas tomadas pelo presidente deposto causaram uma total ruptura institucional", nomeadamente com a dissolução da Assembleia Nacional e não promulgação da nova Constituição.

"Notámos uma genuína vontade das forças políticas e da sociedade civil para juntos encontrarem a solução mais viável para que o período de transição não seja demasiado longo, porque a situação do país não se compadece com isso", salientou.

A chefe da diplomacia cabo-verdiana enalteceu ainda os esforços que estão a ser feitos para estabelecer um pacto de estabilidade que "irá delinear os contornos deste período de transição, mas também definir claramente o mandato do Presidente da República em exercício, do calendário eleitoral e as competências do governo nacional de transição, bem como as funções e poderes do Conselho Nacional Consultivo".

"Pensamos que são medidas extremamente importantes e vêm dar a oportunidade aos guineenses de eles mesmos tentarem encontrar a solução mais adequada para o problema no país", considerou.

Sobre a missão da CEDEAO, Fátima Veiga diz que é positiva, pois pode recolher as informações no terreno, contactar com os diversos agentes da sociedade civil envolvidos, e dar ideias e sugestões relativas à forma como se deve sair da crise.

"A missão da CEDEAO tinha dois objectivos essenciais, de procurar o máximo de informações sobre a situação no país, saber as razões que levaram ao levantamento, e depois ver como ajudar o país a encontrar uma solução credível para a sociedade guineense e comunidade internacional. Não era, de maneira nenhuma, recolocar o presidente deposto no poder", explicou.

Fátima Veiga reputou também de importantes os contactos que os membros da missão tiveram com o presidente deposto, Kumba Ialá, em que este se manifestou disponível para dar o seu apoio e participar na vida política, pois "considera-se um agente do processo de transição".

Realçou que a CEDEAO "valorizou a posição de grande nacionalismo e dignidade do comité militar, que até agora tem cumprido na íntegra as promessas que fez desde o início do levantamento".

Da parte de Cabo Verde - salientou - foi expressa a vontade de ajudar a Guiné-Bissau, colaborando na mobilização dos parceiros para ajudar financeira e tecnicamente a realização das próximas eleições no país.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem