As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Italiana lança obra sobre comércio informal em Cabo Verde
- 23-Sep-2003 - 15:12

A investigadora italiana Marzia Grassi acaba de lançar, na cidade da Praia, a sua obra "Rabidantes - Comércio espontâneo transnacional em Cabo Verde", um trabalho de investigação sobre a actividade das pessoas que se dedicam ao comércio informal no principal mercado da capital cabo-verdiana.


Marzia Grassi, especializada em economia do desenvolvimento, dedica-se, há dez anos, aos estudos sobre a informalidade tendo a mulher como principal protagonista.

Depois de ter trabalhado em Angola (Luanda e Benguela), Grassi escolheu Cabo Verde para dar continuidade à suas investigações, tendo seleccionado um grupo no mercado praiense de Sucupira, constituído por 50 mulheres e oito homens comerciantes fiscalizados pela Câmara Municipal da Praia.

A investigadora justifica a opção por este grupo com a necessidade de se introduzir o conceito de género na economia, por considerar que os modelos dominantes de desenvolvimento económico, nomeadamente nos programas de reajustamento estrutural do Banco Mundial e do FMI, privilegiam modelos rígidos que não têm em consideração as especificidades".

O perfil da rabidante do Sucupira revelado na obra de Grassi indica que são mulheres com baixo nível de escolaridade e que se deslocam em pequenos grupos por países em que, geralmente, não dominam a língua, desenrascam-se e trazem ao mercado cabo-verdiano parte significativa do que os consumidores precisam.

Com a sua actividade profissional conseguem sustentar a família, gerar empregos para os homens do agregado e investir os lucros na educação dos filhos, observa.

A autora contesta, assim, a visão dos modelos dominantes da ciência económica face ao sector informal, considerado "uma doença da economia, que tem que ser corrigida".

"Penso que é um problema mais de carácter político querer ou não querer ajustar os modelos à realidade", afirma.

Quanto à importância do sector informal na economia de Cabo Verde, Marzia Grassi lembra que estudos feitos em países da África Ocidental mostram que, se o sector informal fosse medido, iria triplicar o PIB desses países.

Outro aspecto é que essa actividade permite ajustar o nível de emprego, que o Estado nem sempre consegue fazer.

Há histórias de rabidantes que compraram mini-autocarros de transportes inter-urbanos de passageiros e arranjaram trabalho para os homens da família, ou que então compraram uma ou duas casas e que, quando locadas, constituem uma fonte segura de rendimento familiar.

"Se não são actividades económicas, então são o quê?", interroga-se para confessar, no entanto, que, se se quiser medir o lucro da "rabidância" através dos indicadores habituais, isso não é possível.

Marzia Grassi defende que, neste caso, o que está errado são os instrumentos e metodologias utilizados, "que não deixam ver o que se passa, e tudo fica na mesma, os grandes modelos de desenvolvimento mantém-se..."

O fenómeno da mulher empresária, segundo a investigadora, é comum a toda a África Ocidental e Central. "O que elas propõem é globalização", explica, sublinhando não perceber muito bem por que é que os Estados não olham para este tipo de actividade, nomeadamente para o regulamentar, mas sem o sufocar.

Marzia Grassi considera que não se trata apenas de sobrevivência, porque muitas das mulheres que se dedicam a esta actividade "já são empresárias muito dinâmicas".


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem