As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Guiné-Bissau desce 24 lugares em lista mundial
- 21-Oct-2003 - 14:17

A Guiné-Bissau é um dos países que mais desceu na classificação mundial da liberdade de imprensa, situando-se na 118ª posição, devido ao encerramento de alguns órgãos de comunicação social, segundo a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras (RSF).


Em relação ao Países de Língua Oficial Portuguesa, a Guiné- Bissau ocupa a pior posição, seguindo-se Angola (97º), Brasil (71º), Moçambique (63º), Cabo Verde (47º) e Timor-Leste (30º), que merece um destaque da RSF por ser um dos países mais pobres do mundo e com melhor classificação. São Tomé e Príncipe não consta da lista.

Além da Guiné-Bissau, entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), Angola desceu quatro posições, Cabo Verde uma e a única subida registada - sete lugares - foi Moçambique.

Portugal encontra-se este ano na 28ª posição, uma descida de 21 lugares em relação ao ano passado.

De acordo com a classificação da RSF, os três países do continente africano que perderam um maior número de posições em relação ao ano passado foram a Costa do Marfim (137), desceu 82 posições, a Libéria (132), desceu 23 lugares, e a Guiné-Bissau, que no ano passado estava na 94ª posição.

Segundo a organização, nos dois primeiros casos, jornalistas nacionais e estrangeiros estiveram expostos à violência dos beligerantes, num continente em que "as guerras e as graves crises políticas têm inevitavelmente consequências sobre a liberdade de imprensa".

Do continente africano, o país melhor classificado é a África do Sul (21), seguida do Benim (29), Maurícias (41) e Madagáscar, Cabo Verde e Gana (46,47 e 48, respectivamente).

Tal como Timor-Leste, o Benim e Madagáscar merecem um destaque da RSF por serem dos países mais pobres do mundo e estarem melhor classificados do que o Bahrein (117) ou Singapura (144), considerados países ricos.

Esta classificação permite à RSF concluir que "o respeito pela liberdade de imprensa não está unicamente ligado ao desenvolvimento económico dos Estados".

O pior caso do continente africano é a Eritreia, que está na 162ª posição, de um total de 166 países analisados. No final da tabela estão ainda o Zimbabué (141), Sudão (142), Tunísia (149) e Líbia (153).

A nível mundial, a classificação é liderada pela Finlândia, Islândia, Noruega e Holanda, sendo a última posição ocupada pela Coreia do Norte.

A Ásia regista as piores situações, com oito dos dez países que ocupam as últimas posições: Coreia do Norte, Birmânia, Laos, China, Irão, Vietname, Turquemenistão e Butão.

Segundo a RSF, nestes países, a imprensa independente ou não existe ou é reprimida todos os dias pelas autoridades, enquanto os jornalistas "trabalham em condições extremamente difíceis, sem qualquer liberdade ou segurança".

A organização destaca ainda Cuba, que ocupa a penúltima posição, e onde, na Primavera deste ano, 23 jornalistas independentes foram detidos e condenados a penas entre os 14 e os 27 anos de prisão, fazendo deste país "a maior prisão do mundo para os jornalistas".

De realçar ainda a descida de 14 lugares dos Estados Unidos, que este ano ocupam a 31¦ posição, no que diz respeito ao território nacional, uma vez que também é analisado o trabalho dos jornalistas norte-americanos no Iraque (135º).

Também Israel tem duas classificações: no seu território (44º) e nos territórios ocupados (146º).

Para elaborar esta classificação, a RSF pediu a jornalistas, investigadores, juristas e defensores dos direitos humanos para responderem a um questionário composto por 53 perguntas.

Entre os itens analisados estão os atentados directos contra jornalistas, incluindo assassínios, detenções, agressões, ameaças, ou contra os média, entre censura, perseguições, pressões, encerramento) e o grau de impunidade de que beneficiam os autores das violações da liberdade de imprensa.

O questionário tem ainda em conta o quadro jurídico que rege o sector da comunicação social e o comportamento do Estado face aos média públicos e à imprensa estrangeira.

Esta é a segunda classificação mundial de liberdade de imprensa e foram analisados mais 27 países do que no ano passado. Os restantes países do mundo não constam desta lista por falta de informações fiáveis.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem