As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Democratização em Cabo Verde foi decisiva para o desenvolvimento
- 24-Oct-2002 - 9:28

O primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, enalteceu o processo de democratização que o país atravessou e que foi decisivo para a sua modernização e desenvolvimento.


«Basta ver a dinâmica de desenvolvimento das ilhas de Cabo Verde e dos municípios do país. Criou-se uma dinâmica entre os prefeitos e os dirigentes autárquicos, e uma dinâmica nova de desenvolvimento local e nacional», defendeu, ao participar hoje numa sessão de divulgação do «Relatório Mundial sobre o Desenvolvimento 2002», das Nações Unidas.

José Maria Neves salientou que hoje todos reconhecem que no país existe democracia e que o processo que conduziu a tal sistema político tem sido «profundamente enriquecedor».

Na sua perspectiva, a democracia é algo em construção permanente, «que se realiza no cotidiano, numa interação permanente entre a sociedade civil e a sociedade política».

«O nível de exigência da sociedade cabo-verdiana faz com que os poderes públicos trabalhem mais, cada vez mais, para poderem dar resposta às demandas dos cidadãos», acrescentou.

A participação, ou «intromissão», dos cidadãos cabo- verdianos nos assuntos públicos, realçou, «tem sido um fator importante do desenvolvimento do país».

«Só é possível esta intervenção dos cidadãos nos assuntos do governo se houver espaços democráticos de participação», afirmou.

Na visão do primeiro-ministro, Cabo Verde «tem sabido construir espaços de participação, que permitam o envolvimento dos cidadãos na gestão dos assuntos do governo», em prol do desenvolvimento humano.

Mas, atentando que a democracia é algo de construção permanente, «é preciso trabalhar para ultrapassar os espaços onde há desigualdade na distribuição do poder, e para criar os canais que permitam uma maior participação dos cidadãos», exortou.

O primeiro-ministro atribui à reforma do Estado em Cabo Verde, um processo em andamento, a missão de criar uma «nova dinâmica de relacionamento entre a sociedade civil e a política, num movimento inclusivo para a criação de espaços de cidadania e uma maior igualdade na distribuição do poder».

«É consolidar os partidos políticos, que são pilares da democracia, mas também permitir o desenvolvimento dos outros espaços, dos outros movimentos sociais, que garantam a participação dos cidadãos», acrescentou.

Espaços que, segundo José Maria Neves, o constitucionalista português José Joaquim Gomes Canotilho designaria «espaços do impolítico», capazes de assegurar a participação na gestão do governo e da cidade, e uma outra dinâmica social.

O primeiro-ministro realçou também a importância de se continuar trabalhando em prol de um bom governo, para a realização de políticas sociais de impacto efetivo na melhora da qualidade de vida e para uma maior dignidade das pessoas.

Que sejam «políticas sociais duravelmente compensadoras», como preconizou o presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, salientou José Maria Neves.

E assim, acrescentou, se «reduzirem os espaços de desigualdade social, a pobreza, e contribuir para que as pessoas vivam efetivamente melhor».

«Em Cabo Verde, temos esse dever moral, nós governantes, nós cidadãos, de contribuir decisivamente para uma nova geração de políticas sociais duravelmente compensadoras, capazes de levar a uma maior dignificação das mulheres e homens», sublinhou.

Ao referir à situação da África e às suas dificuldades, o primeiro-ministro de Cabo Verde recordou o bom exemplo de tolerância e de respeito das diferenças na África do Sul no pós «apartheid», que possibilitou a afirmação das suas energias e capacidades.

«É na tensão entre a tradição e a modernidade que a África realizará o espírito da sua época», frisou, recordando os passos consistentes que têm sido dados em alguns países, desde os anos 90, para a sua afirmação e consolidação da democracia.

Na sua intervenção, José Maria Neves agradeceu o apoio do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e de todo o sistema das Nações Unidas ao desenvolvimento de Cabo Verde e do mundo.

O «Relatório Mundial Sobre o Desenvolvimento Humano 2002», divulgado internacionalmente em julho, foi apresentado hoje em Cabo Verde numa sessão organizada pelo PNUD.

Nesse relatório Cabo Verde está no 100º lugar de acordo com os objetivos de desenvolvimento do milénio, muito à frente dos restantes países africanos lusófonos - São Tomé e Príncipe (119), Angola (161), Guiné-Bissau (167) e Moçambique (170).


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem