As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Todos aguardam resposta do Procurador da República à carta de «Nino» Vieira
- 27-May-2004 - 21:33

A notícia da vontade do ex-presidente guineense João Bernardo "Nino" Vieira em regressar ao país para ser julgado, longe de abalar o meio político, está a provocar alguma ansiedade, pois todos aguardam pela decisão do Procurador-Geral da República.


Por José Sousa Dias
da Agência Lusa

A Agência Lusa tentou ao longo do dia de hoje contactar Octávio Alves, mas o Procurador Geral da República (PGR) guineense não esteve disponível para comentar a carta que "Nino" Vieira enviou à Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) e em que manifesta a sua disponibilidade para ser julgado por um tribunal imparcial.

A missiva de "Nino" Vieira, no poder entre 1980 e 1999, foi recebida pelo presidente da Liga, Luís Manuel Cabral, a 10 de Outubro de 2003, mas foi "escondida" de quase todos por o país estar ainda a viver, na altura, a "ressaca" do golpe de Estado de 14 de Setembro, razão pela qual não foi divulgada.

O documento foi então divulgado quarta-feira, já após o processo eleitoral estar concluído, depois também da tomada de posse dos novos deputados e depois ainda da entrada em funções do novo governo.

Já com a necessária estabilidade política, a carta pôde então ser divulgada, mas os comentários são escassos ou nulos, embora sejam muitas as especulações que surgem quanto à hipótese de "Nino" Vieira regressar ao país, mesmo que seja para ser julgado.

Instado pela Lusa a comentar a situação, o novo ministro da Justiça guineense, Raimundo Pereira, sublinhou que o caso é estritamente do foro judicial, razão pela qual não teceu quaisquer comentários.

O mesmo sucedeu a um conjunto de altas patentes das Forças Armadas guineenses, que, ao serem questionadas pela Lusa, responderam unanimemente que o caso pertence à esfera judicial e que o Exército, que até há bem pouco tempo comandou os destinos do país, nada tem a ver com o caso.

No entanto, é opinião reinante de que um eventual regresso do ex- presidente ao país não é do agrado dos militares, pois, na sua grande maioria, foram eles que corporizaram a destituição de "Nino" Vieira do poder, na sequência dos 11 meses de conflito militar que assolou a Guiné-Bissau em 1998 e 1999.

O único a falar abertamente à Lusa sobre o caso foi o então PGR guineense, Amine Saad, hoje presidente do partido União para a Mudança (UM, oposição extra-parlamentar), que negou as acusações feitas na carta por "Nino" Vieira.

O antigo chefe de Estado guineense acusou Amine Saad de se ter "permitido lançar" contra a sua pessoa "gravíssimas acusações" que iam desde o tráfico de armas, passando por actos de corrupção e culminando no "múltiplo assassinato".

"Acusações essas feitas sem provas e completamente falsas. Na altura, o governo português, de acordo com a lei, recusou-se a levar em conta as acusações então proferidas pelo PGR Amine Saad, já que estas não tinham a menor prova", escreveu "Nino" Vieira, exilado em Portugal desde Junho de 1999.

Hoje, em declarações à Lusa, Amine Saad afirmou que "há certas pessoas que têm a memória curta" e acusou "Nino" Vieira de estar a faltar à verdade.

"Todos se lembram das tropas senegalesas e guineenses (de Conacri) que vieram em socorro de "Nino" Vieira durante o conflito de "7 de Junho". Todos se lembram da vala comum em que se encontraram vários cadáveres", referiu o antigo PGR.

Amine Saad salientou também o facto de o Partido Africano de Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) ter assinado e aprovado um relatório da Assembleia Nacional Popular (ANP) que implicava "Nino" Vieira no tráfico de armas para o Movimento das Forças Democráticas de Casamança (MFDC), que luta há mais de duas décadas pela secessão daquela província do sul do Senegal.

O documento, acrescentou, foi aprovado antes do início do conflito de 1998/99, tendo sido depois entregue na Procuradoria-Geral da República (PGR), na altura liderado por Juliano Fernandes que, hoje, contactado pela Lusa, também não quis fazer comentários.

"As valas comuns não são amnistiáveis nem se enquadram na amnistia dos "Acordos de Paz de Abuja", que nunca foram respeitados militarmente no terreno, sublinhou Amine Saad, que lembrou ainda o alegado envolvimento de "Nino" Vieira no caso do assassínio do jornalista português Jorge Quadros, em Novembro de 1993.

"Mas só vou adiantar mais pormenores depois de o PGR falar. Se o PGR não falar, então irei dizer publicamente, com mais documentos, que "Nino" Vieira não pode andar a brincar connosco", concluiu Amine Saad.

Por seu lado, Carlos Vamain, ex-ministro da Justiça do governo de transição que vigorou de 28 de Setembro de 2003 a 12 deste mês, contactado também pela Lusa, pouco mais adiantou, mas sublinhou que seria melhor para a Guiné-Bissau que "Nino" Vieira seja julgado em Portugal.

A "batata quente" está agora nas mãos de Octávio Alves, mas é também sabido em Bissau que as principais figuras do Estado já sabiam da carta, recebida em Outubro de 2003, desde que a mesma chegou às mãos do presidente da Liga dos Direitos Humanos.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem