As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Coligação à vista com quatro pequenos partidos
- 18-Dec-2002 - 14:19

Quatro pequenos partidos da oposição na Guiné-Bissau vão apresentar-se nas próximas eleições legislativas antecipadas sob a «bandeira» de uma União Eleitoral, tendo como presidente Joaquim Baldé, líder do PSD guineense.

Integram a União Eleitoral (UE) o Partido Social Democrata (PSD), de Joaquim Baldé, Liga Guineense de Protecção Ecológica (LIPE), de Abubacar Rachid Djaló, e os partidos da Renovação e Progresso (PRP), de Mamadú Úri Djaló, e Socialista Guineense (PSG), de Cirílo Vieira.

Joaquim Baldé, licenciado em filosofia, disse que a União Eleitoral já tem delineada a sua estratégia para governar a Guiné-Bissau em caso de vitória nas próximas eleições legislativas antecipadas, projectadas para Fevereiro de 2003.

A promoção de um ambiente de paz na Guiné-Bissau, a clarificação do quadro político institucional, o que passará por uma separação clara dos poderes entre órgãos de soberania do Estado, o respeito pelos Direitos Humanos e a promoção de uma economia de mercado serão os eixos de governação da União Eleitoral, caso vença as eleições.

Até ao início da próxima semana, a União Eleitoral conta ter nas suas fileiras mais três formações políticas da oposição, acrescentou Joaquim Baldé, sem as nomear.

Joaquim Baldé descartou qualquer possibilidade destes futuros integrantes da sua coligação serem os chamados «grandes partidos», como o Partido da Renovação Social (PRS), a Resistência da Guiné-Bissau (RGB), o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) ou a União para a Mudança (UM).

Baldé esclareceu que os quatro partidos foram convidados a integrar a União Eleitoral, mas declinaram o convite.

A RGB e o PAIGC afirmaram que vão avançar para uma coligação entre si e com outras forças políticas guineenses, embora haja a possibilidade de tal não se concretizar, pois nada está ainda definido.

Há duas semanas, o PAIGC, RGB, Aliança Democrática (AD) e Frente Democrática e Social (FDS) assinaram um «acordo de princípios», tendo em vista a constituição de uma coligação pré-eleitoral, cujos termos serão anunciados até ao final do mês em curso.

Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem