As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
Universidade vai custar três milhões de euros, sem infraestruturas
- 26-Jan-2005 - 20:08


O processo de instalação da futura Universidade Pública de Cabo Verde (UNICV), que deverá estar concluído em 2006, irá custar cerca de três milhões de euros, montante que não contempla a construção de infra- estruturas próprias.


O orçamento foi hoje apresentado num encontro entre a Comissão Instaladora da UNICV e o primeiro-ministro cabo- verdiano, a quem foram apresentados os diferentes modelos em estudo, de entre os quais será escolhido aquele que melhor se adapte à realidade do país.

A existência de dois pólos nas duas principais cidades do arquipélago (Praia e Mindelo) é uma possibilidade forte, mas o principal debate tem a ver com a construção, ou não, de instalações próprias que simbolizem fisicamente a universidade.

O presidente da Comissão Instaladora, António Correia e Silva, perspectivou que a universidade será "aquilo que todos quiserem", adiantando que os sinais vindos da sociedade indicam que os cabo-verdianos "querem instalações de raiz".

Aquele responsável acrescentou que os cenários são vários, sendo que a adaptação das instalações e dos equipamentos dos diferentes institutos públicos de formação superior existentes no país "apresenta-se como o mais vantajoso financeiramente".

Para o primeiro-ministro, a definição do modelo é "essencial para a tomada de decisões" no que toca a instalações, acrescentando que, "seja qual for o consenso, o Estado terá que conseguir reunir as vontades e os recursos necessários à sua materialização".

José Maria Neves defendeu uma "forte interacção" entre os sectores público e privado da sociedade cabo-verdiana, não só no financiamento da instalação como, "principalmente, na futura gestão da Universidade de Cabo Verde".

O chefe do governo adiantou que em Julho deverão ser iniciadas negociações com vista ao desbloqueamento dos 2 milhões de dólares solicitados aos Estados Unidos para o financiamento da instalação da UNICV, no quadro do Milenium Challenge Account (MCA).

A cooperação internacional foi igualmente considerada "indispensável" para a concretização dos objectivos definidos, sendo de privilegiar, segundo José Maria Neves, a cooperação com os países lusófonos, nomeadamente Portugal e Brasil.

Uma das ideias avançadas pelo governante vai no sentido de envolver as Universidades Católicas desses dois países e a igreja católica cabo-verdiana, numa parceria que resultaria, por exemplo, na "transformação do Seminário de S. José, na Praia, numa das faculdades da UNICV".

O ano em curso será, assim, para os responsáveis pela instalação da UNICV, um "ano de acção", a começar pela apresentação, quinta-feira, do site da universidade, disponível no endereço cniunicv.cv, que é visto como um "importante instrumento de ligação com a sociedade".

Também este ano terá início a integração na UNICV dos diferentes Institutos Públicos de formação superior, considerados por António Correia e Silva como os "pilares do projecto da universidade pública de Cabo Verde".

Prova disso, concluiu aquele responsável, é que essa vertente dos trabalhos irá consumir "a parte mais substancial", cerca de 2,8 milhões de euros, das verbas inscritas no orçamento apresentado para o biénio 2005/2006.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem