As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cabo Verde
«Ameaças de Kumba Ialá são atentado à segurança do Estado»
- 31-Mar-2005 - 15:35


O primeiro-ministro guineense afirmou hoje que as declarações feitas quarta-feira pelo ex-presidente Kumba Ialá, que ameaçou reassumir o poder caso os tribunais o impeçam de concorrer às eleições presidenciais, constituem "um atentado à segurança do Estado".


"É um atentado à segurança do Estado e à segurança da nossa população e que vamos seguir com toda a atenção. Não queremos ir pela via da força. Queremos a via do diálogo. Desaconselhamos é qualquer tipo de manifestação, qualquer tipo de desacatos que ponham em causa a ordem pública", afirmou o primeiro-ministro.

Carlos Gomes Júnior falava aos jornalistas depois de se ter reunido sucessivamente com representantes do Gabinete das Nações Unidas na Guiné-Bissau (UNOGBIS), da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e com o embaixador de Portugal em Bissau, José Manuel Pais Moreira.

Visivelmente irritado, Carlos Gomes Júnior nada disse sobre se o antigo presidente guineense, deposto no golpe de Estado de Setembro de 2003, irá ser detido ou alvo de qualquer acção judicial, limitando-se a adiantar que a Guiné-Bissau é um Estado de Direito e que, com ele, "não se brinca".

"Não estamos aqui para brincadeiras. O Estado é o Estado. Este é um governo legitimamente eleito, tem o poder do Estado e responderá com o Estado" às declarações de Kumba Ialá, referiu, questionando:

"(à) quem vier fazer ameaças, nos termos em que foram feitas (por Kumba Ialá) para tomar o poder, terá de se justificar. Ele (Kumba Ialá) vai ocupar o poder porquê? Com que base?".

"As declarações são preocupantes. Enquanto Estado, não vamos permitir desacatos seja de quem for, nem perturbações na ordem pública. Se alguém o fizer, agiremos com força", frisou Carlos Gomes Júnior, sem, contudo, especificar que medidas tomará o executivo.

"Se há falta de autoridade do Estado, nós, na hora própria, daremos conta de que, de facto, o Estado existe", afirmou o primeiro- ministro, mais uma vez sem adiantar pormenores e não comentando perguntas dos jornalistas sobre se as declarações de Kumba Ialá não constituem já, em si, razão suficiente para uma acção judicial.

Declarando-se "apreensivo" com a situação, Carlos Gomes Júnior disse que convocou para hoje de manhã sucessivos encontros com representantes da comunidade internacional, para lhes manifestar a preocupação do executivo em relação ao actual momento político.

"O Estado está a fazer um esforço muito grande e a comunidade internacional está empenhada em ajudar a Guiné-Bissau a ultrapassar todas as dificuldades para que o país regresse à normalidade institucional com as eleições de 19 de Junho. Fizemos um apelo à comunidade internacional para tentar reunir com as pessoas para as chamar ao bom senso", explicou.

Imediatamente após as declarações aos jornalistas, o governo reuniu-se de emergência em Conselho de Ministros para analisar o momento político, quer com as ameaças feitas por Kumba Ialá quer em relação à possibilidade de regresso de outro ex-presidente guineense ao país, João Bernardo "Nino" Vieira.

Quarta-feira, numa entrevista à Agência Lusa, Carlos Gomes Júnior afirmou que o governo guineense não poderá garantir a segurança de "Nino" Vieira na Guiné-Bissau, onde tem previsto regressar em meados de Abril.

O também líder do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder) sublinhou, por outro lado, que se "Nino" Vieira regressar à Guiné-Bissau terá de enfrentar a justiça.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Web Design Portugal Algarve por NOVAimagem