Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em todo o mundo de lingua portuguesa
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Entrevista
Governo aponta vantagens para o plano tecnológico e para os PALOP
- 30-Jan-2006 - 19:30


A Estratégia de Lisboa, o plano tecnológico e o ensino do português em Portugal e em África saem beneficiados da realização em Lisboa do Fórum de Líderes da Microsoft, destacou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.


Para Diogo Freitas do Amaral, a quem se deve a escolha da capital portuguesa para um evento anual que junta este ano mais de 600 representantes de Governos europeus e de empresas da área da investigação e novas tecnologias, a realização da conferência em Lisboa permite, desde logo, "reafirmar Portugal como grande organizador de congressos internacionais".

Por outro lado, "todo o programa é gizado em torno das ideias fundamentais da Estratégia de Lisboa" - definida pela presidência portuguesa da União Europeia em 2000 e que visa equiparar a economia e o desenvolvimento tecnológico na Europa aos dos Estados Unidos até 2010 - a conferência vai permitir apurar "como a tecnologia pode contribuir para a sua concretização", disse o ministro numa entrevista à Agência Lusa.

Da mesma forma, ela vai permitir aos responsáveis políticos e públicos portugueses "ouvir técnicos, governantes e grandes empresários" sobre as melhores formas de aplicar o plano tecnológico do actual Governo, não apenas no Fórum, mas também na conferência que o patrão da Microsoft, Bill Gates, dá terça-feira a ministros, autarcas e altos quadros da administração pública portuguesa sobre novas tecnologias e modernização administrativa.

A outra grande vantagem, segundo Freitas do Amaral, resulta do trabalho feito por uma comissão interministerial portuguesa ao longo dos seis meses que decorreram entre a escolha de Lisboa e a realização do evento e que vai permitir a assinatura de mais de uma dezena de acordos entre a Microsoft e os Ministérios dos Negócios Estrangeiros (MNE), da Educação, da Economia e Inovação, da Administração Interna, da Justiça, do Trabalho e da Ciência e Ensino Superior.

"O Governo quis aproveitar a vinda do "estado-maior" da Microsoft e de Bill Gates para, à margem da conferência, vermos as vantagens que podíamos obter para Portugal e para os Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP) da Microsoft, quer enquanto empresa privada, que faz contratos, quer na vertente da gigantesca Fundação Melissa e Bill Gates, que faz donativos desinteressados aos países mais pobres do mundo", explicou.

Neste sentido, da parte do ministério dos Negócios Estrangeiros, estão prontos para ser assinados, quarta-feira, quatro memorandos de entendimento para o ensino da Língua Portuguesa através de métodos audiovisuais e informáticos quer em Portugal, quer nos PALOP, estes últimos dependentes apenas, neste caso, do acordo dos respectivos Governos.

O ministro sublinhou que se trata de "memorandos de entendimento e não de contratos", ou seja, "uma proposta e não uma imposição", que os Governos dos PALOP terão inteira liberdade de aceitar ou recusar.

Mas, segundo Freitas do Amaral, "há efectivamente a intenção de Bill Gates e da Microsoft de alargar a todos estes países que o desejarem o plano que vai executar em Portugal".

Trata-se, explicou, de contratos com a Microsoft, embora haja a possibilidade de a Fundação Gates colaborar com a aplicação destes programas nos PALOP.

Freitas do Amaral fez ainda questão de explicar que os acordos a assinar não implicam "um monopólio com a Microsoft" nem significam "nenhum exclusivo" do Governo português com esta empresa, devendo-se a escolha a "terem sido os primeiros a aparecer, dada a oportunidade do congresso". "Por isso não vamos assinar contratos, mas memorandos de entendimento", explicou.

O ministro quis ainda elogiar "o excelente trabalho" desenvolvido pelo Protocolo de Estado no acolhimento, transporte e segurança das mais de 600 personalidades convidadas para o Fórum e congratulou-se com o facto de ter podido "aproveitar" quase na íntegra a equipa responsável por todos esses aspectos durante o Euro 2004.

Entre os participantes figuram o primeiro-ministro português, José Sócrates, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, o Alto Comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, a ex- presidente irlandesa Mary Robinson e o ex-presidente do Parlamento Europeu Pat Cox.

A escolha de Lisboa para a realização do terceiro Fórum de Líderes de Governo da Europa foi anunciada a 15 de Julho passado, dois dias depois de Freitas do Amaral se ter reunido com a vice-presidente da Microsoft que tutela os contactos com Governos estrangeiros, Gerri Elliot, numa escala em Nova Iorque da sua visita oficial a Washington.

Segundo o ministro, quando soube da hipótese, Lisboa disputava então com Viena a realização do evento e a Microsoft já tinha mesmo ouvido os responsáveis municipais da capital austríaca, pelo que pediu imediatamente para se encontrar com aquela responsável, a quem expôs os argumentos a favor da escolha de Lisboa.

Entre esses argumentos foram decisivos, disse, a capacidade de organização e segurança demonstrada por Portugal na Expo98 e no Euro 2004, a sugestão da Estratégia de Lisboa como tema e a garantia da presença no Fórum do presidente da Comissão Europeia, o ex-primeiro-ministro português Durão Barroso.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites Algarve por NOVAimagem