Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em todo o mundo de lingua portuguesa
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Entrevista
Estudar em Angola é para ricos?
- 15-May-2007 - 18:24


O meu amigo Orlando Castro analisou com a frontalidade e acutilância que se lhe reconhece uma recente reportagem da televisão portuguesa TVI sobre os portugueses em Angola, perdão, em Luanda.


Chamou-lhe sem medos “de neocolonialismo” aquilo que a reportagem mostrou.
Não sei se poder-se-á afirmar tal mas não andará muito longe da verdade!

Só que o que li no Semanário Angolense, edição 213 deste fim-de-semana, mostra que o neocolonialismo está bem mais refinado do que pensava.

Uma empresa portuguesa de construção civil decidiu abrir um colégio, em Luanda, na zona de Talatona, a nova Luanda Sul, onde “os professores da instituição virão todos de Portugal e os princípios orientadores da instituição reger-se-ão pelo cumprimento integral dos currículos definidos pelo Ministério da Educação Português.”

Pois é, só que nem o Ministério da Educação angolano nem a entidade responsável para autorizar a abertura do Colégio parecem ter conhecimento desta intenção de abrir “em Setembro deste ano, (…) um dos colégios mais caros do continente africano. O colégio S. Francisco de Assis, com início de construção marcado para este mês de Maio, em sistema pré-fabricado, estará situado na nova zona residencial de Talatona, Luanda Sul, por detrás do Centro de Convenções. A matrícula neste novo colégio custa USD 4000.00 (quatro mil dólares norte americanos) ao ano, tanto para o jardim-de-infância como para o ensino secundário. Cada trimestre custa 5 ou 6 mil dólares, consoante o caso. O horário regular de funcionamento do colégio vai das 7:30h às 15:30h. Se os pais quiserem que os filhos fiquem por mais tempo, até as 18:30h, o que não será difícil, dados os horários de trabalho praticados em Angola e as dificuldades de circulação em Luanda, deverão pagar mais 300 dólares. No colégio S. Francisco de Assis, os almoços custarão 500 dólares se for comida da escola. Se o aluno levar a refeição confeccionada em casa deverá pagar 200 dólares pela utilização do refeitório. Os lanches do colégio ficarão por 150 dólares.”

Com preços destes ou os angolanos andam a nadar em dinheiro ou dificilmente conseguirão alterar e subir no Índice de Desenvolvimento Humano.

Ou, então, os novos colonizadores portugueses dão razão às “acusações” de Orlando Castro quando afirma que a reportagem da TVI mostrou o neocolonialismo na sua mais lídima expressão.

Segundo aquela reportagem, os portugueses entrevistados – foram muito poucos para que a amostragem seja minimamente credível – afirmavam estar em Luanda porque ganhavam muito, mas muito, mais do que em Portugal; que tinham excelentes moradias e não sei quantos (cinco num dos casos) empregados domésticos.

Um maus exemplo daqueles que estão lá para ajudar o País a se desenvolver e a dar razão àqueles que dizem que para terem lá portugueses mais vale terem congoleses, zambianos ou zimbabueanos já para não dizer chineses, ou os brasileiros que os angolanos mais apreciam.

É que ao menos estes não enganam e não mostram mais do que são. Ou seja, estão lá para ganhar o deles sem levantarem ondas nem se porem em bicos de pés evidenciando um nível de vida pouco consentâneo com a realidade angolana, em geral, e a luandense, em particular.

Ora como não acredito que haja tantos portugueses em Luanda, porque o colégio é para Luanda, que justifiquem este novo empreendimento e ainda por cima em pré-fabricado; será que a empresa que está há muitos anos em Angola sabe como é a temperatura no país? Ou será quem teve a brilhante ideia está sempre dentro de 4 paredes bem aclimatizadas e sai delas directamente para um carro com bom ar condicionado?

Provavelmente deve ser isso.

Tal como em Portugal as coisas são tratadas nos gabinetes desconhecendo a realidade local e nacional.

E com reportagens como aquela é natural que se possa criar escolas pré-fabricadas com preços indicados.

Continua a haver poucos com muitíssimo para gáudio de outros tantos que querem continuar a moinar ou pachecar do máximo em pouco tempo…

Por favor parem de gozar com a chipala dos angolanos!

Se os há ricos, e os hão, a maioria mal consegue (sobre)viver com o que ganham. E também estes têm – devem ter – direito à educação.

Talvez por isso, só um dos entrevistados tinha um seu filho numa escola pública angolana.

Porque será?

Será que a educação portuguesa é melhor? Então não percebo porque há em Portugal quem tanto verbera o ensino português.

Se querem ajudar a desenvolver o Pais de acolhimento façam-no criando mais escolas que permitam o acesso a todos, sejam angolanos, portugueses ou outros lusófonos.

15-Maio-2007
elcalmeida@gmail.com
http://elcalmeida.home.sapo.pt


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites Algarve por NOVAimagem