As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 director: Norberto Hossi
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Cultura
 » Desporto
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Cultura
FRELIMO em peso no aniversário da independência, oposição boicota
- 22-Jun-2007 - 17:28


Comícios, homenagens aos heróis e eventos culturais marcarão as comemorações do 32º aniversário da Independência de Moçambique, a 25 de Junho, pontuadas pelo boicote da oposição e pela presença em peso da força do partido no poder, FRELIMO.


Na ausência de um programa do governo para assinalar a data mais importante do Estado moçambicano, o partido FRELIMO, no poder desde a proclamação da independência, decidiu fundir as festividades do 87º aniversário do nascimento do seu fundador, Eduardo Mondlane, a 20 de Junho de 1920, e da criação do movimento, a 25 de Junho de 1962, data mais tarde escolhida para a celebração da independência, a 25 de Junho de 1975.

"A nível do governo, não há nada agendado, o programa das comemorações da data da independência foi concebido pelo partido (FRELIMO)", disse hoje à Lusa o porta-voz do Conselho de Ministros de Moçambique e vice-ministro da Cultura, Luís Covane.

Segundo a referida agenda, o ponto mais alto do dia da independência será no bairro de Chamanculo, arredores de Maputo, onde o chefe de Estado moçambicano, Armando Guebuza, vai fazer um comício, depois de depositar uma coroa de flores no monumento aos heróis moçambicanos.

Encontros populares, eventos culturais e cerimónias evocativas aos heróis moçambicanos serão também replicados nas capitais das 11 províncias moçambicanas, com os governadores provinciais à cabeça.

A RENAMO, o principal partido da oposição, já fez saber que não irá participar nas festividades, como protesto contra o que considera "partidarização" das comemorações alusivas ao 25º aniversário da Independência Nacional.

"Com o 25 de Junho, ficámos todos independentes, mas o que se seguiu a isso é o que todo o mundo está a assistir, a partidarização pela FRELIMO de um acontecimento que é de todos os moçambicanos", disse à Lusa Fernando Mazanga, porta-voz da RENAMO.

Para Mazanga, "seria incoerente se a RENAMO tomasse parte nas comemorações do 25 de Junho deste ano, pois o signo da partidarização mantém-se, como sempre acontece com todas as datas importantes do país".

A independência foi proclamada às 00:00 do dia 25 de Junho de 1975 pelo primeiro presidente de Moçambique, Samora Machel, falecido num desastre de aviação em 1986, e perante a presença de uma delegação portuguesa chefiada pelo então primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, e que incluía Melo Antunes, Mário Soares, Álvaro Cunhal e Otelo Saraiva de Carvalho, entre outros.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Criação e Alojamento de Sites Algarve por NOVAimagem