Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em todo o mundo de lingua portuguesa
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Entrevista
Últimos habitantes do ilhéu das Rolas resistem a «expulsões»
- 21-Dec-2007 - 12:28


Sem água, sem luz nem escolas, os últimos habitantes do ilhéu das Rolas, em São Tomé e Príncipe, lutam contra as indemnizações "irrisórias" que afirmam estarem a ser impostas pelo grupo Pestana para que o local seja apenas um destino turístico.


Desde 2004 que o grupo Pestana gere um empreendimento turístico de quatro estrelas no ilhéu das Rolas com o nome Pestana Equador, mas os moradores queixam-se da forma como estão a ser tratados pela empresa portuguesa.

"Há dois anos que não temos água e luz", lamentou à Agência Lusa Aida Quaresma, uma das poucas moradores que ainda vive no ilhéu das Rolas, situado a 100 quilómetro da cidade de São Tomé.

Aida Quaresma tem 11 filhos, sete deles foram estudar para São Tomé porque a escola foi fechada.

A cantina, onde habitualmente iam comprar alimentos, segundo a moradora, também foi encerrada pelo grupo Pestana, que "não deixa" os locais aproximarem-se do complexo turístico.

Contactada pela Agência Lusa, a administração do grupo Pestana referiu, por e-mail, que desconhece as queixas dos moradores, sublinhando que "não é política" da empresa expulsar habitantes das ilhas. A empresa disse também que procura "empregar ao máximo possível" os habitantes locais.

No ilhéu das Rolas já chegaram a morar entre 600 a 700 pessoas, mas actualmente apenas restam cerca de 70 que não aceitam as indemnizações que o grupo português está a oferecer para que saiam do ilhéu.

Abel Veiga, jornalista são-tomense do jornal Téla Nón, disse à Agência Lusa que o grupo Pestana está a oferecer 45 milhões de dobras (2.200 euros) a cada família, valor que "não dá para construir" uma casa em São Tomé e Príncipe.

Segundo o jornalista, um grupo importante de pessoas já saiu do ilhéu com indemnizações e construiu "uma tendinha" em Porto Alegre, a cidade mais próxima e apenas acessível de barco, mas que possui posto médico, escola, ensino e empregos.

"Muitos dos que receberam as indemnizações estão na desgraça e alguns querem regressar. O dinheiro acabou e não têm trabalho", adiantou o jornalista.

Para Aida Quaresma, o valor da indemnização é muito pequeno e só deixa o ilhéu "se pagarem mais".

A escola de Porto Alegre é frequentada por cerca de 20 crianças do ilhéu das Rolas, muitas foram com os pais morar para esta cidade, outras separaram-se dos progenitores.

"Como já não há escola (no ilhéu das Rolas), os miúdos são obrigados a vir para Porto Alegre. Ficam em casas de familiares e ao fim-de-semana regressam ao ilhéu para ver os pais", disse à Lusa Alexandre Santos, professor na escola de Porto Alegre.

Por sua vez, o director do Turismo e Hotelaria de São Tomé e Príncipe, Hugo Menezes, disse à Agência Lusa que está "a acompanhar a situação" e que uma equipa foi enviada para o terreno para investigar o que se está a passar.

"Neste momento não seria de todo conveniente falar publicamente sobre esta situação, tendo em conta que ainda estamos a verificar todos os contornos", sublinhou.

"É um caso controverso" que necessita de ser analisado, frisou Hugo Menezes.

Na semana passada, em entrevista à Agência Lusa, o Presidente de São Tomé e Príncipe, Fradique de Menezes, afirmou que as acusações dos habitantes do ilhéu das Rolas contra o "resort" são antigas e que o grupo Pestana deve ser tratado com "seriedade".

Actualmente o grupo Pestana é o maior investidor em São Tomé e Príncipe. Segundo a empresa, os empreendimentos em gestão e em construção no país ascendem a 35 milhões de euros e proporcionam 650 postos de trabalho.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites Algarve por NOVAimagem