Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em todo o mundo de lingua portuguesa
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Entrevista
Mari Alkatiri desaconselha eleições «precipitadas»
- 1-Apr-2009 - 12:14


A realização de eleições na Guiné-Bissau nos próximos meses "é uma precipitação", afirmou o ex-primeiro-ministro e líder da oposição de Timor-Leste, Mari Alkatiri, em entrevista à Agência Lusa em Díli.


"O mais importante é não nos precipitarmos com eleições", afirmou Mari Alkatiri sobre a forma como a Guiné-Bissau poderá ultrapassar a actual "instabilidade".

Mari Alkatiri chefia uma delegação oficial do Estado timorense que estará cerca de um mês em Bissau, na sequência dos atentados que vitimaram, na mesma madrugada, o chefe das Forças Armadas guineenses e o Presidente da República.

"Eu sei que é uma imposição constitucional mas como evitar haver precipitação?", questiona o actual líder da oposição sobre a transição guineense, ressalvando que não vai a Bissau "para dar lições a ninguém mas apenas partilhar a experiência timorense".

A realização de eleições "dois meses depois do assassinato do chefe de Estado e do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas é, em qualquer parte do mundo, uma precipitação", explicou Mari Alkatiri.

"Tem que se deixar funcionar as instituições para que retomem o seu funcionamento normal: o Governo, a Presidência da República, as Forças Armadas, o Parlamento. É nisso que a comunidade internacional deve concentrar-se" na Guiné-Bissau, sublinhou o ex-primeiro-ministro de Timor-Leste.

Na entrevista à Lusa sobre a sua missão guineense, Mari Alkatiri salientou que os atentados contra o general Tagme Na Waié e o Presidente João Bernardo "Nino" Vieira foram "o ponto culminante" de uma longa crise.

"Esses acontecimentos marcaram o ponto culminante da crise, porque agora Bissau está sem violência nenhuma e a vida corre normalmente e não foi necessário a intervenção internacional", declarou Mari Alkatiri.

"Isso significa que os guineenses reagiram de uma forma positiva. E isso (é algo que) devemos saudar em vez de continuar a criticar" a situação, acrescentou o ex-primeiro-ministro e secretário-geral da Fretilin.

"Até vou comparar com a crise de 2006 (em Timor-Leste), (em) que tivemos que pedir a intervenção de forças internacionais e mesmo assim levou meses, se não anos, para parar a violência", frisou Mari Alkatiri.

"A crise de 2006 obrigou-me a demitir-me, para travar 20 mil pessoas que vinham a caminho de Dili para arrasar a cidade", referiu Mari Alkatiri.

Nesse aspecto, "é bom pensarmos as coisas de forma mais positiva e reconhecer que os guineenses reagiram de forma positiva" aos acontecimentos de 02 de Março.

Sobre a mensagem timorense para a Guiné-Bissau, Mari Alkatiri afirmou que pretende falar da necessidade de "tolerância mútua" que possibilite a "formação de consensos" na liderança e na sociedade.

Da delegação timorense faz parte Roque Rodrigues, ex-ministro da Defesa do I Governo Constitucional, que parte esta quinta-feira para Bissau, segundo o próprio afirmou hoje à Lusa.

Mari Alkatiri deverá sair de Díli para Bissau a 09 de Abril. A delegação timorense integra também o representante de Timor-Leste na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), embaixador José Barreto Martins.

Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites Algarve por NOVAimagem