Anuncie no Noticias Lusofonas e promova a sua empresa em todo o mundo de lingua portuguesa
           As Notícias do Mundo Lusófono
 Notícias de Angola Notícias do Brasil Notícias de Cabo Verde Notícias da Guiné-Bissau Notícias de Moçambique Notícias de Portugal Notícias de São Tomé e Príncipe Notícias de Timor Leste
Ir para a página inicial de Noticias Lusofonas desde 1997 toda a lusofonia aqui
 Pesquisar
 
          em   
 Notícias

 » Angola
 » Brasil

 » Cabo Verde
 » Guiné-Bissau
 » Moçambique
 » Portugal
 » S. Tomé e Príncipe
 » Timor Leste
 » Comunidades
 » CPLP
 
Informação Empresarial
Anuncie no Notícias Lusófonas e divulgue a sua Empresa em toda a Comunidade Lusófona
 Canais


 » Manchete
 » Opinião
 » Entrevistas
 » Comunicados
 » Coluna do Leitor
 » Bocas Lusófonas
 » Lusófias
 » Alto Hama

 » Ser Europeu

Siga-nos no
Siga o Notícias Lusófonas no Twitter
Receba as nossas Notícias


Quer colocar as Notícias Lusófonas no seu site?
Click Aqui
Add to Google
 Serviços

 » Classificados
 » Meteorologia
 » Postais Virtuais
 » Correio

 » Índice de Negócios
 
Venha tomar um cafezinho connoscoConversas
no
Café Luso
 
  Entrevista
«Exagerar a dimensão do problema do narcotráfico danifica imagem do país»
- 20-Oct-2010 - 11:09


O exagero da dimensão do problema do narcotráfico da Guiné-Bissau, um problema “real e pernicioso”, está a danificar a imagem externa do país e a condicionar a vida política e o desenvolvimento interno por ser “uma ameaça constante”.


A opinião é de Juan Esteban Verastegui, o general espanhol que até Maio comandou a missão da UE para a reforma do sector de defesa e segurança no país e que, em entrevista à Lusa, admite ter “uma visão muito particular” sobre o problema da droga na Guiné-Bissau.

“A droga é perniciosa porque existe, claro, mas também porque se diz que existe. Estamos num cenário onde não se sabe bem a dimensão, exactamente quem joga e como joga, e onde se multiplicam as acusações mútuas”, afirma,

“A droga é usada como arma e está omnipresente em todo o Estado. E o mais grave é que, mesmo sem ser da dimensão que se diz, é uma ameaça. Especialmente a pairar sobre os políticos”, considera.

Verastegui rejeita a visão de que a Guiné-Bissau seja um ponto nevrálgico do narcotráfico para a Europa, admitindo que “há claramente quem faça negócio, incluindo com a participação de guineenses e de militares, que controlam os portos e o aeroporto”.

“Que há gente que pode ganhar dinheiro, claro, que têm que ser militares, também porque são eles que controlam os aeroportos e o mar. É sempre complicado quando é o lobo a guardar a galinha. Mas na Guiné o lobo é de papel, as forças armadas são um bluff. E com a polícia organizada, metiam-se na ordem”, defende.

“Mas o problema do narcotráfico para a Europa não é a Guiné-Bissau. Há sempre muitos episódios com a droga, mas estamos perante uma luta de poder à escala do país”, sustenta.

Uma luta de poder que tem impacto no dia a dia do país - porque os “políticos têm medo, não têm outra alternativa ou, no final, não assumem as suas responsabilidades” – mas que não é da dimensão que lhe é regularmente atribuída.

“O país compra-se com muito pouco, mas também o país não admite grande negócio porque é demasiado visível. É demasiado pequeno e não é seguro em termos logísticos”, diz.

“Se fosse colombiano nunca arriscaria grandes carregamentos pela Guiné. Usaria a Guiné para distrair ou para diversificar. Mas não como grande canal”, refere.

A Guiné-Bissau é apontada pela ONU como uma placa giratória da droga oriunda da América Latina com destino à Europa.


Marque este Artigo nos Marcadores Sociais Lusófonos




Ver Arquivo


 
   
 


 Ligações

 Jornais Comunidades
 
 
         
  Copyright © 2009 Notícias Lusófonas - A Lusofonia aqui em primeira mão | Sobre Nós | Anunciar | Contacte-nos

 edição Portugal em Linha - o portal da Comunidade Lusófona Construção de Sites Algarve por NOVAimagem