NCaster Has not been assigned a template for this catogory. This site is powered by Project ncaster
using defalts layout Ideal e realidade continuam a afirmar-se na divergência; para se contrapor esta tendência muitos chegam à conclusão de se introduzir um tratamento especial para a mulher em questões laborais e para tal introduzir por lei quotas de mulheres em lugares relevantes.

A União Europeia está a pensar numa iniciativa legislativa que pretende introduzir na Europa a quota de mulheres. Na Alemanha o partido SPD já reagiu com um projecto de lei que pretende até 2015 atingir 40% de mulheres em conselhos de supervisão e membros de directorias de empresas. Este plano divide os ânimos da nação. O governo é de opinião que haja uma quota flexível que empresas e indústria se autodeterminem. Na realidade, segundo a OECDE, na Alemanha apenas 4% de mulheres ocupam posições de directoria e a nível europeu 10%. Também, segundo o relatório da OECDE, as mulheres alemãs ganham menos 22% que os homens.

Naturalmente, numa sociedade masculina, a introdução duma quota é discriminadora pois coloca no cimo da carreira mulheres devido à quota e não tão sujeitas às leis masculinas mercantis da concorrência. Numa meritocracia isto pressupõe um factor contra. Talvez este factor implique já um elemento de sensibilidade feminina a querer mitigar uma sociedade que fede a suor de homem.

Muitas vezes as mulheres aceitam, na entrevista para emprego, condições que homens não aceitam. Enquanto uma mulher quer ser amada o homem quer ser respeitado.

A maior inteligência emocional das mulheres revela-se, por vezes, prejudicial numa sociedade máscula porque se orientam mais por critérios humanistas e não apenas pelo lucro da firma, o que constitui um obstáculo ao currículo. Os homens sobem até mais alto na escada da carreira porque não sofrem de vertigens ao interessarem-se mais pelo sucesso da firma do que pelo sucesso dos trabalhadores. O pensar masculino tem em conta o próprio interesse e este é premiado pela firma e não pelos empregados.

Segundo estudos feitos na Alemanha, a mulher despede empregados dois anos mais tarde do que o fariam homens e isto incomoda os accionistas das firmas. As firmas querem pessoas de temperamento forte e assertivo com cotovelos robustas para afastar o que não lhe passe no goto. Mais justiça para a mulher significaria, num primeiro momento, que por lei auferissem pagamento igual ao dos homens pelo mesmo trabalho houvesse maior protecção para o trabalho e saúde.

Importante é que a mulher assuma maior responsabilidade social sem ter de abdicar do seu caracter feminino em favor duma sociedade totalmente masculina. A sociedade máscula tem muitos aspectos problemáticos porque afirma quase exclusivamente as qualidades masculinas em detrimento das qualidades femininas. O pensar e o agir do homem é mais selectivo e para chegar além não olha a quem. O pensar da mulher é mais colegial, pessoal mas não tão individualista; o instinto maternal mitiga o egoísmo.
Resumindo o dito e o por dizer: O dia da mulher é uma boa oportunidade para se começar a elaborar uma sociedade com base na complementaridade de masculinidade e feminidade. Por vezes faz doer constatar-se movimentos reivindicativos femininos que fomentam a masculinidade da nossa sociedade ou exigem um currículo para a mulher ditado pela sociedade máscula que obriga a mulher a ter de se comportar como o homem para ter alguma oportunidade neste tipo de sociedade de via única. Seria doentio se a sociedade fizesse das mulheres viragos e dos homens afeminados.

Torna-se uma missão nobre para homens e para mulheres, construir uma sociedade diferente; uma sociedade um pouco mais feminina e um pouco menos masculina. Vai sendo tempo de se juntar e equilibrar o princípio masculino da selecção natural ao princípio feminino natural da colaboração. Isto sem apoiar a moda em via: transformação de mulheres em viragos e de homens em afeminados.

António da Cunha Duarte Justo